Cabeçalho do Blog

bandeira-brasil-imagem-animada-0009
Encontre-nos
OLÁ, BEM-VINDO!   INSCREVA-SE ANTES NO NOSSO G+ PARA DEPOIS SOLICITAR LINKS EXCLUSIVAMENTE POR EMAIL!
PREZADOS LEITORES! À PARTIR DE HOJE ESTAREMOS POSTANDO AS ATUALIZAÇÕES DO BLOG NO NOVO ENDEREÇO ABAIXO: www.batebocamusical2.blogspot.com.br batebocamusica2

30 junho 2015

Nat King Cole - The Greatest Hits (1994)



Grande cantor americano, especializado no gênero musical "Vocal Jazz", que com sua voz marcante imortalizou várias canções  como: "Mona Lisa", "Stardust", "Unforgettable", "Nature Boy", "Christmas Song", "Quizás, Quizás, Quizás", entre outras.

Suas músicas românticas recebiam um toque todo especial quando ele juntava sua voz ao som do piano. Depois, tornou-se ainda mais famoso, fazendo ainda mais sucesso, quando resolveu juntar sua voz a uma revolucionária formação instrumental: piano, guitarra e baixo, numa época em que as "big bands" é que ocupavam os palcos. Estamos falando do surgimento dos famosos "Trios de Jazz", hoje tão comum. Nessa coletânea estão os grandes sucessos da carreira do cantor. Confiram!


Tracklist
1. Unforgettable 3:12
2. (Get Your Kicks On) Route 66 3:02
3. Orange Colored Sky 2:34
4. Mona Lisa 3:16
5. Walkin' My Baby Back Home 2:40
6. Straighten Up And Fly Right 2:26
7. Send For Me 2:38
8. Looking Back 2:27
9. You Call It Madness (But I Call It Love) 3:05
10. (I Love You) For Sentimental Reasons 2:54
11. Nature Boy 2:39
12. Ramblin' Rose 2:50
13. Pretend 2:44
14. Too Young 3:13
15. Somewhere Along The Way 2:54
16. Those Lazy, Hazy, Crazy Days Of Summer 2:25
17. Smile 2:54
18. Darling, Je Vous Aime Beaucoup 2:51
19. Answer Me, My Love 2:38
20. A Blossom Fell 2:33
21. If I May 3:04
22. Unforgettable 3:31 (feat. Natalie Cole)

NÃO HOSPEDAMOS LINKS PARA DOWNLOADS 
MEMBROS CADASTRADOS DEVEM PEDIR OS LINKS VIA EMAIL
AINDA NÃO É UM MEMBRO?  CADASTRE-SE À DIREITA DO BLOG  PARA TER ACESSO AOS LINKS

29 junho 2015

Nat King Cole - Unforgettable (tradução)

             

Inesquecível

Inesquecível, isso é o que você é
Inesquecível, entretanto próximo ou longe
Como uma canção de amor que gruda em mim
Como o pensamento das coisas que você me faz
Nunca antes será alguém a mais
Inesquecível em todos os sentidos
E sempre (e sempre)
Isso é como você ficará (isso é como você ficará)
Isso é por que meu bem, é incrível
Que alguém tão inesquecível
Pense que eu também seja inesquecível.

Não, nunca antes será alguém a mais
Ooh inesquecível (inesquecível)
Em todos os sentidos (em todos os sentidos)
E sempre (e sempre)
Isso é como você ficará (isso é como você ficará)
Isso é por que meu bem, é incrível
Que alguém tão inesquecível
Pense que eu também seja inesquecível.

28 junho 2015

VA - "Soul Hits Of The 70's" - Part1 (10CDs)

Tracklist Vol. 1
01. Friends Of Distinction - Grazing In The Grass
02. Edwin Hawkins Singers - Oh Happy Day
03. Winstons - Color Him Father
04. Honey Cone - While You're Out Looking For Sugar
05. R.B. Greaves - Take A Letter Maria
06. Friends Of Distinction - Going In Circles
07. Glass House - Crumbs Off The Table
08. Flaming Ember - Mind Body And Soul
09. Eddie Holman - Hey There Lonely Girl
10. Brook Benton - Rainy Night In Georgia
11. Chairmen Of The Board - Give Me Just A Little More Time
12. Delfonics - Didn't I (Blow Your Mind This Time)

Tracklist Vol. 2
01. The Originals - The Bells
02. The Friends Of Distinction - Love Or Let Me Be Lonely
03. The Honey Cone - Girls It Ain't Easy
04. El Chicano - Viva Tirado (Part 1)
05. Tyrone Davis - Turn Back The Hands Of Time
06. The Moments - Love On A Two-Way Street
07. Les Mccann & Eddie Harris - Compared To What
08. Charles Wright & The Watts 103Rd Street - Love Land
09. The Five Stairsteps - Ooh Child
10. Freda Payne - Band Of Gold
11. Pacific Gas & Electric - Are You Ready
12. The Three Degrees - Maybe

Tracklist Vol. 3
01. Flaming Ember - Westbound Number Nine
02. Ike And Tina Turner - I Want To Take You Higher
03. Chairmen Of The Board - (You've Got Me) Dangling On A String
04. Edwin Starr - War
05. Ronnie Dyson - (If You Let Me Make Love To You Then) Why Can't I Touch You
06. Gene Chandler - Groovy Situation
07. Chairmen Of The Board - Everything's Tuesday
08. Spinners - It's A Shame
09. Charles Wright And The Watts 103Rd Street Rhythm Band - Express Yourself
10. One Hundred Proof Aged In Soul - Somebody's Been Sleeping
11. Presidents - Five Ten Fifteen Twenty (Twenty-Five Thirty Years Of Love)
12. Flaming Ember - I'm Not My Brother's Keeper

Tracklist Vol. 4
01. Chairmen Of The Board - Pay To The Piper
02. King Floyd - Groove Me
03. Little Sister - Somebody's Watching You
04. The Lost Generation - The Sly, Slick, And The Wicked
05. Chairmen Of The Board - Chairman Of The Board
06. Freda Payne - Deeper And Deeper
07. Jackie Moore - Precious, Precious
08. The Staple Singers - Heavy Makes You Happy (Sha-Na-Boom Boom)
09. Ike & Tina Turner - Proud Mary
10. The Fuzz - I Love You For All Seasons
11. The Chi-Lites - (For God's Sake) Give More Power To The People
12. Brenda & The Tabulations - Right On The Tip Of My Tounge

Tracklist Vol. 5
01. The Honey Cone - Want Ads
02. The 8Th Day - She's Not Just Another Woman
03. Paul Humphrey & His Cool Aid Chemist - Cool Aid
04. The Chit-Lites - Are You My Woman (Tell Me So)
05. Cornelius Brothers & Sister Rose - Treat Her Like A Lady
06. King Floyd - Baby Let Me Kiss You
07. The Beginning Of The End - Funky Nassau (Part 1)
08. Dave & Ansil Collins - Double Barrel
09. Freda Payne - Bring The Boys Home
10. Jean Knight - Mr. Big Stuff
11. The Honey Cone - Stick-Up
12. The Disputed Truth - Smiling Faces Sometimes

Tracklist Vol. 6
01. The Dramatics - Whatcha See Is Whatcha Get
02. Bill Withers - Ain't No Sunshine
03. Laura Lee - Women's Love Rights
04. The Dells - The Love We Had (Stays On My Mind)
05. The Persuaders - Thin Line Between Love And Hate
06. The 8Th Day - You've Got To Crawl (Before You Walk)
07. The Free Movement - I've Found Someone Of My Own
08. Isaac Hayes - Theme From Shaft
09. Lou Rawls - A Natural Man
10. The Chi-Lites - Have You Seen Her
11. Donnie Elbert - Where Did Our Love Go
12. The Staple Singers - Respect Yourself

Tracklist Vol. 7
01. Honey Cone - One Monkey Don't Stop No Show
02. B.B. King - Ain't Nobody Home
03. Dennis Coffey & The Detroit Guitar Band - Scorpio
04. Freda Payne - You Brought The Joy
05. Joe Simon - Drowing In The Sea Of Love
06. Jerry Butler & Brenda Lee Eager - Ain't Understanding Mellow
07. Betty Wright - Clean Up Woman
08. Bobby Womack - That's The Way I Feel About Cha
09. The Chakachas - Jungle Feaver
10. The Dramatics - In The Rain
11. Malo - Suavecito
12. The Chi-Lites - Oh Girl

Tracklist Vol. 8
01. Joe Tex - I Gotcha
02. Honey Cone - The Day I Found Myself
03. The Staple Singers - I'll Take You There
04. Isaac Hayes - Do Your Thing
05. The Jimmy Castor Bunch - Troglodyte (Cave Man)
06. Bill Withers - Lean On Me
07. Frederick Knight - I've Been Lonely For So Long
08. Cornelius Brothers & Sister Rose - Too Late To Turn Back Now
09. Luther Ingram - (If Loving You Is Wrong) I Don't Want To Be Right
10. Joe Simon - Power Of Love
11. Cornelius Brothers & Sister Rose - Don't Ever Be Lonely (A Poor Little Fool Like Me)
12. The O'Jays - Back Stabbers

Tracklist Vol. 9
01. The Main Ingredient - Everybody Plays The Fool
02. Bill Withers - Use Me
03. The Soul Children - Hearsay
04. Laura Lee - Rip Off
05. Mel & Tim - Starting All Over Again
06. Curtis Mayfield - Freddie's Dead
07. Harlod Melvin & The Bluenotes - If You Don't Know Me By Now bytes)
08. Johnny Nash - I Can See Clearly Now
09. The Isley Brothers - Work To Do
10. The O'Jays - 992 Arguments
11. Four Tops - Keeper Of The Castle
12. Billy Paul - Me And Mrs. Jones

Tracklist Vol. 10
01. Timmy Thomas - Why Can't We Live Together
02. Brighter Side Of Darkness - Love Jones
03. The Chi-Lites - A Lonely Man
04. Curtis Mayfield - Superfly
05. Jerry Butler - One Night Affair
06. War - The World Is A Ghetto
07. Johnny Nash - Stir It Up
08. Four Tops - Ain't No Woman (Like The One I've Got)
09. First Choice - Armed And Extremely Dangerous
10. The Independents - Leaving Me
11. Sylvia - Pillow Talk
12. New York City - I'm Doin' Fine Now
Colaboração de Rodrigo Prado do blog osomdosprados,

24 junho 2015

VA - Royal Memphis Soul 1996 (4 CDs)


Disc 1
1. Bad & Good Boys - We Got Soul (2:05) 
2. Don Bryant - I Like It Like That (2:27) 
3. Willie Mitchell With Don Bryant - Everything Is Gonna Be Alright (2:23) 
4. Janet & The Jays - Without A Reason (3:02) 
5. Don Bryant - The Lonely Soldier (2:35) 
6. 1 + 1 - Will Be True (2:11) 
7. Norm West - Hey Little Girl (2:24) 
8. Don Bryant - The Call Of Distress (2:23) 
9. George Jackson (3) - I'm Gonna Wait (2:56) 
10. Don Bryant - Is That Asking Too Much (2:38) 
11. Don Bryant - There Is Something On Your Mind (Part 1) (2:24) 
12. James Fry - Tumblin' Down (2:45) 
13. Don Bryant - I'll Go Crazy (2:06) 
14. Ann Peebles - Walk Away (3:14) 
15. Don Bryant - You Cause Me To Wonder (2:04) 
16. Lyndon - The Very First Time (2:21) 
17. Lyndon - Love Map (2:17) 
18. Al Green - You Say It (2:50) 
19. Ann Peebles - Part Time Love (2:55) 
20. Ann Peebles - I Still Love You (3:23) 
21. Al Green - I Can't Get Next To You (3:49) 
22. David Duke - Is It Over? (3:46) 
23. Ann Peebles - I Pity The Fool (2:58) 
24. Eddi McGee - What Made You Change? (2:58) 
25. Eric Tigg - Treat Her Right (2:19) 
26. Al Green - Tired Of Being Alone (2:59) 
27. Ebony Web - This Morning (3:01)

Disc 2
1. Ann Peebles - 99 Lbs (2:16) 
2. Syl Johnson - The Love You Left Behind (2:46) 
3. Al Green - Let's Stay Together (3:17) 
4. Veniece - Stepchild (2:36) 
5. Al Green - How Can You Mend A Broken Heart? (6:23) 
6. Ann Peebles - I Feel Like Breaking Up Somebody's Home (2:29) 
7. Al Green - Look What You Done To Me (3:06) 
8. George Jackson (3) - Aretha, Sing One For Me (2:57) 
9. T-99 - Sweetness Ain't Sweet No More (2:56) 
10. Al Green - I'm Still In Love With You (3:14) 
11. Philip Mitchell - Little Things (3:09) 
12. Quiet Elegance - I'm Afraid Of Losing You (2:43) 
13. Bobo Mr. Soul - She's My Woman (3:35) 
14. Otis Clay - Trying To Live My LIfe Without You (2:49) 
15. Al Green - You Ought To Be With Me (3:15) 
16. Joint Venture - When The Battle Is Over (2:54) 
17. Ann Peebles - I'm Gonna Tear Your Playhouse Down (2:40) 
18. Al Green - Call Me (Come Back Home) (3:04) 
19. Otis Clay - I Can't Make It Alone (2:52) 
20. Philip Mitchell - The Same Folks That Put You There (3:34) 
21. Darryl Carter - Looking Straight Ahead (2:49) 
22. Quiet Elegance - You've Got My Mind Messed Up (2:50) 
23. Otis Clay - I Love You, I Need You (5:45) 
24. Ann Peebles - I Can't Stand The Rain (2:27)

Disc 3
1. Syl Johnson - Back For A Taste Of Your Love (2:37) 
2. Otis Clay - If I Could Reach Out (2:54) 
3. Erma Coffee - You Made Me What I Am (2:54) 
4. Otis Clay - I Die A Little Each Day (2:42) 
5. Emma Coffee - Anyway The Wind Blows (3:04) 
6. Al Green - Livin' For You (3:12) 
7. Philip Mitchell - Turning Over The Ground (3:34) 
8. Al Green - Livin' For You (5:35) 
9. Quiet Elegance - Will You Be My Man In The Morning? (2:56) 
10. The Masqueraders - Wake Up Fool (2:49) 
11. Syl Johnson - Please Don't Give Up On Me (2:37) 
12. Otis Clay - It Was Jealousy (3:04) 
13. Al Green - Sha-La-La (Make Me Happy) (3:00) 
14. Veniece - Evry Now And Then (2:55) 
15. Known Facts - He's Got It (2:46) 
16. Al Green - L-O-V-E (Love) (3:05) 
17. Known Facts - How Can I Believe You (2:58) 
18. Ann Peebles - Beware (3:07) 
19. Syl Johnson - Take Me To The River (3:08) 
20. Willie Clayton - I Must Be Losing You (2:30) 
21. Gene Anderson - You Love Must Be Voodoo (Part 1) (2:50) 
22. Willie Clayton - It's Time You Made Up Your Mind (2:36) 
23. Jimmy Mack (2) - Be Good To The One (That's Good To You) (3:24) 
24. Ann Peebles - Come To Mama (2:57) 
25. Willie Walker - I Love Her (2:58)

Disc 4
1. Jean Plum - Back To You (3:25) 
2. Al Green - Full Of Fire (5:14) 
3. Syl Johnson - It Ain't Easy (4:35) 
4. Syl Johnson - It Ain't Easy (5:05) 
5. Ann Peebles - I Needed Somebody (4:59) 
6. Quiet Elegance - After You (3:08) 
7. Jen Plum - I Love Him (3:48) 
8. O.V. Wright - Without You (4:36) 
9. Jean Plum - Loneliness (3:53) 
10. Quiet Elegance - Roots Of Love (4:09) 
11. Otis Clay - I Can't Take It (4:05) 
12. Quiet Elegance - How's Your Love Life Baby? (3:03) 
13. Bobby McLure - I Ain't Gonna Turn You Loose (2:49) 
14. Al Green - Belle (4:52) 
15. Willie Walker - Reaching For The Real Thing (3:17) 
16. O.V. Wright - Your Good Thing Is About To End (4:58) 
17. O.V. Wright - I Don't Know Why (3:16) 
18. O.V. Wright - Sacrifice (4:29) 
19. O.V. Wright - Eight Men, Four Women (Live) (4:24)

22 junho 2015

Billy Paul - Soul Music Anos 70



De estilo vocal bem próprio, com sua voz suave e rouca. Billy Paul é um cantor americano de soul, vencedor de Grammy, que combinava soul music e funk, com pitadas de jazz, R&B e música pop. Foi mais conhecido pelo seu grande sucesso mundial e 1º lugar nas paradas: "Me and Mrs. Jones". Aqui no Brasil se destacou principalmente com o álbum de 1973 (capa acima) e o single "War of the Gods", canção que combina estilo pop convencional, com soul, funk e influências eletrônicas e psicodélicas.

Nascido e criado na Philadelphia, Paul começou sua carreira quando tinha doze anos, aparecendo em programas de rádio local. Ouvindo em casa a coleção de sua família, Paul começou a desenvolver um estilo vocal que mais tarde viria a incorporar traços de jazz, R&B e pop.

Realizou gravações desde a década de 1950, mas só despontou como vocalista de R&B na década de 70, quando trocou o rock pelo soul e as baladas pop, tornando-se então mais amplamente conhecido no circuito underground musical da Filadélfia, onde surgiam vários convites para apresentações. Daí a popularidade de Paul cresceu tanto que o levou a aparições a nível nacional. Eram as novas oportunidades que, a partir de então, começaram a surgir com convites para aparecer em concertos com Charlie Parker, Dinah Washington, Nina Simone, Miles Davis, The Impressions, Sammy Davis, Jr. e Roberta Flack.
wikipedia

Billy Paul tem um carinho muito grande pelo Brasil, vindo quase todo ano para tocar no país. Durante sua estadia por aqui, é comum vê-lo frequentando bares como uma pessoa comum. O disco de hoje sugerido para aquisição é "Billy Paul - 360 Degrees Of Billy Paul", lançado em 1973 e que foi o disco mais vendido no Brasil. O disco é todo bom e possui só sucessos como: "Me And Mrs Jones", "Your Song", "It's To Late" e "Let's Stay Together", etc. É um disco imperdível que nos mostra todo o seu talento musical, nos relembrando os grandes sucessos de sua carreira. Confiram!

Tracklist
1- Brown baby 
2- I'm just a prisioner 
3- It's too late 
4- Me and Mrs Jones 
5- Am I black enough for you 
6- Let's stay together 
7- Your song 
8- I'm gonna make it this time;
9- July, July, July 
10- Without you 
11- Only the strong survive

Billy Paul - Only The Strong Survive (tradução)

             


Apenas os fortes sobrevivem

Eu vejo você, sentado lá, totalmente só
Chorando compulsivamente
Enquanto tudo está indo errado
Você sabe que haverá
Um monte de problemas em sua vida
Me escute, levante-se
Pois, apenas os fortes sobrevivem

Apenas os fortes sobrevivem
Apenas os fortes sobrevivem
Hey, você tem que ser forte
Você tem que segurar
Eu disse não desista

Eu disse não ande por aí
De cabeça baixa
Não deixe com que eles o faça sentir-se como um palhaço
Há várias oportunidades
Lá fora, esperando por você
Mas você nunca terá sucesso se você tiver desistido
E dizer que sua vida acabou
Escute por um minuto e eu lhe digo

Apenas os fortes sobrevivem
Apenas os fortes sobrevivem
Hey, você tem que ser forte
Você tem que segurar
Você tem que ser homem, tomar uma posição

Apenas os fortes sobrevivem
Apenas os fortes sobrevivem

Os fracos caem ao longo do caminho
Você tem que segurar
Você tem que continuar, continuar
continuar, continuar, continuar...

Pois, apenas os fortes sobrevivem
Apenas os fortes sobrevivem
Os fracos caem ao longo do caminho
Você tem que ser forte
Você tem que segurar
Você tem que continuar

Apenas os fortes sobrevivem
Apenas os fortes sobrevivem
Os fracos caem ao longo do caminho
Você tem que ser homem
Você tem que tomar uma posição

Levante-se, mantenha seu corpo em movimento
Você sabe, os fortes sobrevivem
Acorde e assuma uma posição
Assim você pode manter sua família viva
Afaste-se das situações negativas
Elas só pode trazer-lhe um monte de frustrações
Porque só os fortes sobrevivem

18 junho 2015

Little Anthony & The Imperials - Sucesso Anos 60/70



Little Anthony & The Imperials é um grupo vocal americano de R&B, doo-wop, rock & roll, soul, e blues de Nova York, que teve início na segunda metade da década de 50, fazendo muito sucesso durante os anos 60 até a primeira metade dos anos 70.

Foram várias as músicas que emplacaram como hits na época: "I'm On The Outside (Looking In)" (1964), "Goin' Out Of My Head" (1964), "Hurt So Bad" (1965), "I Miss You So" (1965), "Take Me Back" (1965), "Hurt" (1966), "Better Use Your Head" (1966), and "Out of Sight, Out Of Mind" (1969), incluindo ainda o famoso hit "I'm Falling in Love with You", de 1973, e outras mais surgidas durante os anos 70.

Consta que o grupo está na ativa até hoje. O vocalista Little Anthony era bastante conhecido por sua estridente e diferenciada voz de falsete, influenciado por Jimmy Scott. Foram um dos poucos grupos de doo-wop que conseguiram manter o sucesso cantando R&B e pop soul durante toda a década de 60. Eles foram introduzido no Hall da Fama do Rock and Roll em 4 de abril de 2009, onde possuem cadeira cativa. Fica a dica do disco "Little Anthony & The Imperials - The Greatest Hits", de 1995, para quem deseja conhecer melhor o grupo, e matar a saudade de quem viveu a época.

Little Anthony & The Imperials - I'm Falling In Love With You (tradução)

             

Little Anthony & The Imperials - Tears On My Pillow (tradução)

             


Little Anthony & The Imperials - Tears On My Pillow (tradução)

Lágrimas em meu travesseiro

You don't remember me, but I remember you
Você não se lembra de mim, mas eu me lembro de você

Don't was not so long ago, you broke my heart in two
Não foi há muito tempo, você quebrou meu coração em dois

Tears on my pillow, pain in my heart, caused by you, you
Lágrimas em meu travesseiro, a dor no meu coração, causada por você, você


If we could start anew, I wouldn't hesitate
Se pudessemos começar de novo, eu não hesitaria

I'd gladly take you back, and tempt the hand of fate
Eu ficaria feliz em ter você de volta, e tentar a mão do destino

Tears on my pillow, pain in my heart, caused by you, 
Lágrimas em meu travesseiro, a dor no meu coração, causada por você,


Love is not a gadget, love is not a toy
O amor não é um gadget, o amor não é um brinquedo

When you find the one you love, she'll fill your heart with joy
Quando encontar a pessoa que você ama, ela irá encher seu coração de alegria


If we could start anew, I wouldn't hesitate
Se pudessemos começar de novo, eu não hesitaria

I'd gladly take you back, and tempt the hands of fate
Eu ficaria feliz em ter você de volta, e tentar a mão do destino

Tears on my pillow, pain in my heart, caused by you, you
Lágrimas em meu travesseiro, a dor no meu coração, causada por você, você

Oh wo wo wo you you
Oh wo wo wo you you

14 junho 2015

Pussycat - Relembrando os Bons Anos 70




Pussycat foi uma banda holandesa de soft pop rock e soft country rock, que tinha nas três irmãs Kowalczyk: Toni, Betty e Marianne o apoio vocal. Os outros membros da banda eram Lou Willé (marido de Toni), Theo Wetzels, Theo Coumans e John Theunissen.

Em 1975, eles alcançaram grande sucesso na Europa com a canção "Mississippi", single que foi destaque no chart britânico atingindo a primeira colocação. Estima-se que "Mississippi" vendeu mais de 5 milhões de cópias em todo o mundo. Mais tarde fizeram sucesso com "Smile" em 1976, e "Hey Joe", em 1978. Outros sucessos foram "If You Ever Come to Amsterdam", "Georgie", "Wet Day in September" e "My Broken Souvenirs".

A carreira na Europa durou mais de uma década e incluiu cerca de dezessete álbuns. Em 1978 Hans Lutjens substituiu Coumans na bateria, e a banda continuou a lançar álbuns e fazer turnês, além de aparições regulares em pragramas de TV.

Durante a década de 80, as irmãs encontram cada vez mais dificuldade para financiar excursões com tantos músicos e resolveram substituir a banda de apoio por gravações. E assim continuaram a tocar e gravar até meados dos anos 80 quando o grupo se desfez. Essa coletânea contém todos os grandes sucessos do grupo.
Wikipedia

Pussycat - Blue Light My Eyes (tradução)

             

Pussycat - If You Ever Come to Amsterdam (tradução)

             


Pussycat - If You Ever Come to Amsterdam (tradução livre do inglês )


Se você sempre a Amsterdam 

Eu gostava de estar com você, mas agora eu estou indo embora
Eu realmente aproveitar cada única noite. Momento
aqui com você eu vou lembrar
os dias chuvosos que vêm
Summer Love não deixaram meu coração encantado
É difícil ir embora antes que ele terminasse
Há beijos em uma montanha
E três moedas em uma fonte
Chegou o momento que temos de dizer adeus


Se você vier para Amsterdã
eu vou estar lá esperando por você
E eu vou lhe mostrar onde ir jovem amante
Em uma tarde ensolarada
Onde as noites de verão de Amsterdam
flores cobertos em você lado
Eu serei seu dia vamos nos encontrar novamente
Em Amsterdam

Eu estou chamando cos cotidianas 'quando eu ouvi-lo (quando ouço você)
Eu estou sonhando com o momento em que eu estarei perto de você (eu vou ser perto de você)
eu encontrei um trevo de quatro folhas
Eu gostaria de enviá-lo de novo
E talvez há um tempo vamos nos encontrar um dia
Trad: Vagalume

Pussycat - Mississippi (tradução)

             

12 junho 2015

A Barca Do Sol - Banda Brasileira de Folk Progressivo



A Barca do Sol iniciou a carreira como banda de apoio do cantor fluminense Pery Reis. Em 1973, seus integrantes lançaram-se em carreira própria. No ano seguinte, a banda lançou seu primeiro álbum, A Barca do Sol, que contou com a participação do compositor e multi-instrumentista Egberto Gismonti nas faixas "Arremesso" e "Alaska". Também em 1974, entrou para o grupo o então flautista Ritchie, que anos mais tarde se notabilizaria em sua carreira de cantor solo.

Após uma participação em um especial para a TVE-RJ, o A Barca do Sol começou a se tornar conhecida do público. Em 1976, o segundo disco é lançado, intitulado Durante o Verão. Nesta época, há uma alteração na formação da banda: saem Marcos Stull e Marcelo Bernardes e entram Alain Pierre e David Ganc, respectivamente. Em suas apresentações, o grupo utilizava textos de poetas da chamada "Geração Marginal", particularmente de Geraldo Carneiro, Cacaso e João Carlos Pádua.

Em 1978, os integrantes de A Barca do Sol participam do LP Corra o Risco, que marcou a estréia da cantora Olivia Byington. O disco contém sucessos do grupo, como "Lady Jane", "Fantasma da Ópera" e "Brilho da Noite", regravados pela cantora, além de canções inéditas que viriam a compor o novo disco do conjunto: "Cavalo Marinho" e "Jardim da Infância".

Em 1979, o grupo lançou pelo selo Verão Produções Artísticas o álbum Pirata. Em 1980, fez uma participação especial na faixa "Mais Clara, Mais Crua", do disco Anjo Vadio, de Olívia Byngton, vindo a dissolver-se em seguida. Apesar do fim da banda em 1981, vários membros continuariam na ativa.
wikipedia 

Como a banda possui influências marcantes do folk rock, seu som é geralmente comparado com o da banda Jethro Tull; isto devido também aos instrumentos utilizados. Além disso, podemos notar também alguns toques psicodélicos em suas canções. Vale a pena conhecer todos os discos do grupo!

Integrantes:
Jacques Morelebaum - violão celo, piano e voz
Nando Carneiro - violão e voz
Muri Costa - violão
Marcelo Costa - bateria, percussão
Beto Resende - percussão, viola, violão e guitarra
Marcelo Bernardes - flauta
Alan Pierre - baixo
David Gang - flauta
Marcos Stull - baixo
Richard Court (Ritchie) - flauta

A Barca do Sol - A Barca do Sol (1974)

             

A Barca do Sol - Dragão da Bondade

             

A Barca do Sol - Cavalo Marinho e Jando

             

10 junho 2015

O Rock Psicodélico Brasileiro e Suas Particularidades



A psicodelia se fez presente no rock nacional com suas guitarras distorcidas e letras lisérgicas desde a segunda metade dos anos sessenta, desdobrando-se em vários subgêneros e incorporando as sonoridades regionais, especialmente a nordestina. Essa febre durou até meados dos anos setenta.

Enfrentando toda sorte de preconceito, o gênero contribuiu para alargar os horizontes da música brasileira, cujas estruturas conservadoras haviam sido abaladas pouco tempo antes pelo som de Caetano Veloso, Gilberto Gil, Rogério Duprat e Os Mutantes, num movimento chamado "Tropicalismo". Sem apelo comercial, o som psicodélico ficou restrito a grupos mais radicais, ao público mais descolado e sintonizado com o movimento hippie, concretizados em poucas gravações de raros e valiosos lps e compactos.

As primeiras manifestações psicodélicas ocorreram em São Paulo, por meio de grupos como The Beatniks, Os Baobás e The Galaxies, que introduziram em seus repertórios clássicos do gênero produzido nos Estados Unidos, especialmente. The Beatniks, grupo de palco do programa Jovem Guarda (Roberto Carlos) na TV Record, aliado ao agitador cultural e artista plástico Antônio Peticov, produziu ótimos compactos, com covers de Gloria (Them), Fire (Jimi Hendrix) e Outside Chance (The Turtles). Os Baobás, que teve Liminha entre seus membros, também destacou-se por meio de cinco ótimos compactos e um LP, onde registraram sua paixão por Doors, Jimi Hendrix e Zombies, entre outros. Enquanto The Galaxies, misto de paulistas, americanos e ingleses, deixaram um raro e clássico álbum gravado em 1968, contendo canções originais e covers para Love, Donovan e outros ícones da geração flower power.

Ainda nos anos sessenta, outras bandas como The Beat Boys, Os Brazões e Liverpool produziram obras geniais que ficaram na memória de quem viveu a época. The Beat Boys, depois de acompanhar Caetano Veloso em Alegria Alegria e Gilberto Gil em Questão de Ordem, gravou um excelente álbum, lançado em 1968, que contém alguns clássicos da psicodelia nacional, como Abrigo de Palavras em Caixas do Céu. Os Brazões também gravaram apenas um ótimo e ultra-tropicalista lp, que contém Gotham City (regravada pelo Camisa de Vênus, nos anos oitenta), Pega a Voga Cabeludo (de Gil), Momento B8 (Brazilian Octopus) e Planador (Liverpool), entre outras pérolas sonoras. Já o grupo gaúcho Liverpool é responsável por um dos melhores álbuns gravados nos anos sessenta, o LP Por Favor, Sucesso, que contém as clássicas Impressões Digitais, Olhai os Lírios do Campo e Voando, entre outras.

Menos conhecidos, grupos como Spectrum, Bango, Módulo 1000, Equipe Mercado e A Tribo também marcaram com suas misturas sonoras o início dos anos setenta. O grupo Spectrum, de Nova Friburgo, com a trilha sonora do filme Geração Bendita, produziu um dos mais raros e desconhecidos discos de psicodelia dos anos setenta, com qualidade internacional, e ainda atual. O carioca Módulo 1000, por sua vez, marcou o início da década de setenta com seu som psicodélico-progressivo, registrado no disco Não Fale Com Paredes, outro clássicos do rock nacional de todos os tempos, relançado em CD. A Tribo, com Joyce, Toninho Horta e outros músicos que depois brilharam na MPB, e Equipe Mercado, tendo à frente a dupla Diana e Stull, transitaram entre a influência roqueira e as sonoridades regionais, deixando algumas poucas gravações.

A partir dessas primeiras experiências, e incorporando o som progressivo, inúmeros grupos transportaram a juventude brasileira para espaços mais livres e criativos, além dos limites impostos pela censura ditatorial. Apoiados na riqueza musical nacional, os grupos misturaram rock, tropicalismo, barroco, jazz, erudito, som oriental, música regional e tudo o mais disponível para criar um dos universos sonoros mais criativos do planeta, naquele momento. Grupos como A Barca do Sol, Som Nosso de Cada Dia, Moto Perpétuo, Som Imaginário, Terreno Baldio, Recordando o Vale das Maçãs, Soma, Veludo, Vímana e Utopia - uns mais conhecidos, outros ainda obscuros para a grande maioria - deram a sua contribuição de ousadia e de inventividade sonora e poética para a história do rock brasileiro.

Ainda, em meados dos anos setenta, Lula Côrtes, Zé Ramalho, Alceu Valença, Geraldo Azevedo e Paulo Raphael, especialmente, deixaram a marca de uma nova e delirante mistura, que resultou na posterior invasão nordestina. Em 1972, com participação do maestro Rogério Duprat, Alceu Valença e Geraldo Azevedo produziram um disco em parceria, que trazia influências pós-tropicalistas, rock and roll e sonoridades nordestinas, que antecipou o clássico Paêbirú, O Caminho do Sol - raro e ultrapsicodélico álbum duplo, gravado em 1974, sob o comando de Lula Côrtes e Zé Ramalho. Na seqüência, transitando para a afirmação dos ritmos mais regionais, Alceu Valença, Zé Ramalho e o grupo Ave Sangria (de Paulo Raphael), especialmente, ainda produziram peças com viés psicodélico, como Vou Danado Pra Catende (Alceu Valença), A Dança das Borboletas (Zé Ramalho) e Momento na Praça (Ave Sangria).

AS BANDAS E ARTISTAS QUE MAIS SE DESTACARAM NA ÉPOCA

Apresentamos aqui uma relação das principais bandas e intérpretes que fizeram a história da psicodelia brasileira, nos anos sessenta e setenta. Os verbetes são sintéticos, e alguns deles foram publicados originalmente na revista ShowBizz (de novembro/2000).



THE BEATNIKS - Complete Mocambo Singles 1968
Lenda do rock paulistano, The Beatnkis foi o grupo de palco do programa Jovem Guarda e, ao mesmo tempo, responsável por surpreendentes compactos garageiro-psicodélicos. Entre 67 e 68, gravou quatro disquinhos pelo selo Rozemblit contendo covers para Turtles (Outside Chance), Them (Gloria) e Jimi Hendrix (Fire), entre outros. Em suas diversas formações, o grupo contou com Bogô, Regis, Nino, Márcio, Mário e Norival. Antônio Peticov produzia as capinhas psicodélicas da banda.






CÓDIGO 90 - Single 1967
Banda paulistana formada em 67 pelo ex-Top Sounds e Loupha, Marcos 'Vermelho' Ficarelli (guitarra), Mário Murano (teclado), Pedro Autran Ribeiro (vocal), Sérgio Meloso (bateria) e Vitor Maulzone, além do guitarrista Tuca. Agitaram as domingueiras do Clube Pinheiros, em São Paulo, com apresentações psicodélicas, e deixaram apenas um raro compacto pelo selo Mocambo/Rozenblit - Não Me Encontrarás/Tempo Inútil (67).




SERGUEI - Singles 1966-1975
Com visual/postura rocker-hippie e uma discografia dispersa em raros compactos, Serguei é um ser psicodélico por natureza. Em 67, gravou Eu Sou Psicodélico, As Alucinações de Serguei e o mix de rock-Jovem Guarda-protesto chamado Maria Antonieta Sem Bolinhos. Em 69, com a banda The Cougars, gravou Alfa Centauro, um flerte com o tropicalismo, sem perder a 'acidez'. Ouriço e Burro-Cor-de Rosa também são clássicos de sua discografia e da psicodelia nacional.



Os Baobás - Os Baobás 1968
Grupo que antecipou a chegada do hit Light My Fire (The Doors) no Brasil, em gravação que contou com o futuro Mutantes e produtor Liminha no baixo. Inicialmente beat, enveredou pela psicodelia clássica "importada", que resultou na gravação do único álbum em 68, contendo diversos covers (entre eles, Oranges Skies, do Love), pelo selo Rozemblit. Também lançaram cinco compactos, com destaque para a versão de Paint It Black/Pintada de Preto (The Rolling Stones). O grupo tocou com Ronnie Von, com quem gravou um compacto (Menina Azul) e flertou com o tropicalismo, acompanhando Caetano Veloso em shows, em substituição aos Beat Boys. A primeira formação do grupo contou com Ricardo Contins (guitarra), Jorge Pagura (bateria), Carlos (baixo), Renato (guitarra solo) e Arquimedes (pandeiro). Também passaram pelas diversas formações da banda Rafael Vilardi (ex-O'Seis), Guga, Nescau, Tuca e Tico Terpins (depois Joelho de Porco).



BEAT BOYS - Beat Boys 1968
Um misto de brasileiros e argentinos radicados em São Paulo, o grupo Beat Boys ficou conhecido por acompanhar Caetano Veloso em Alegria Alegria, no Festival da Record e em disco. Integravam o grupo Cacho Valdez (guitarra), Willy Werdaguer (baixo), Tony Osanah (vocal e pandeiro), Marcelo (bateria). Toyo (baixo e teclados) e Daniel (outra guitarra). Gravou um único álbum pela RCA Victor, lançado em 68, contendo Abre, Sou Eu (Billy Bond) e covers radicais como Wake Me, Shake Me (The Blues Project).




THE GALAXIES - The Galaxies 1968
O garageiro The Galaxies era formado pelo inglês David Charles Odams (guitarra e vocal), pela americana Jocelyn Ann Odams (maracas e vocal) e pelos brasileiros Alcindo Maciel (guitarra e vocal) e José Carlos de Aquino (guitarra e bateria. Lançado pelo selo Som Maior, o álbum contém cover para Orange Skies (Love) e composições próprias, como Linda Lee, de David e Carlos Eduardo Aun, o Tuca, ex-Lunáticos, e depois Baobás, que também toca no
disco.





SUELY E OS KANTIKUS - Single 1968
Grupo formado pela ex-O'Seis (o pré-Mutantes), Suely Chagas, mais os guitarristas Lanny Gordin e Rafael Vilardi (também do pré-Mutantes). O grupo ganhou o Festival Universitário de São Paulo, em 1968, com a música Que Bacana. Na linha tropicalista, gravou um único compacto (Que Bacana/Esperanto), que traz Lanny em um dos seus melhores e mais radicais trabalhos de fuzz-guitar.




BRAZILIAN OCTOPUS - Brazilian Octopus 1969
Apesar da orientação jazística, com pitadas de bossa-nova, o grupo pincelava seu som com climas tropicalistas-psicodélicos (incluindo a logotipia do nome na capa do único álbum gravado). A distorção ficava por conta de Lanny Gordin e sua guitarra fuzz e seu wah-wah em canções como As Borboletas e Momento B/8 (parceria do grupo com Rogério Duprat) Integravam o grupo, entre outros, o multi-instrumentista Hermeto Paschoal e o guitarrista Olmir 'Alemão' Stocker.


LIVERPOOL - Por Favor, Sucesso 1969
Com atitutude e visual "Jefferson Airplane", e responsável por verdadeiras viagens sonoras nos palcos, transitou na fronteira do tropicalismo com a psicodelia universal, secundando os Mutantes em criatividade e, especialmente, qualidade instrumental. Integravam o grupo, Mimi Lessa (guitarra), Edinho Espíndola (bateria), Fughetti Luz (cantor), Pekos (baixo) e Marcos (base). Gravou o único álbum em 69, pelo selo Equipe, contendo elaboradas canções com fuzz-guitar no talo, a exemplo de Voando, Impressões Digitais e Olhai Os Lírios do Campo. No início dos anos 70, ainda gravou mais dois compactos, um (duplo) para a trilha do filme Marcelo Zona Sul, e outro, sob o nome de Liverpool Sound, com as músicas Fale e Hei Menina. Com o fim do grupo, seus integrantes, menos Pekos, juntam-se ao ex-A Bolha, Renato Ladeira, para formar o Bixo da Seda, que retornou ao rock and roll "stoniano" das origens da banda.


MUTANTES - Jardim Elétrico 1971
Um dos mais importantes grupos da história do rock, não apenas nacional, mas mundial, não ficando nada a dever aos grandes ícones da revolução musical dos anos sessenta, até mesmo aos Beatles, em vários momentos de sua obra. Deixaram pelo menos três discos clássicos da discografia brasileira e, outra vez, mundial, com uma riqueza de idéias, de arranjos e de soluções instrumentais, que surpreendem até hoje, e provocam uma "redescoberta" por parte dos mais importante músicos nacionais e estrangeiros. Apesar disso, permaneceram por um bom tempo ignorados, até serem relançados ainda em vinil pelo selo paulistano Baratos Afins, em meados dos anos oitenta. São donos de uma infindável coleção de hits e, também, de um baú de raridades, que, além do já lançado Tecnicolor (originalmente gravado em setenta, mas inédito até 2000), renderiam, pelo menos, um bom cd simples.


RONNIE VON - Ronnie Von 1968
Iniciou a carreira cantando Beatles, e com seu terceiro disco, que tem participação dos Mutantes, Beat Boys e arranjos de Rogério Duprat, acabou virando uma espécie de laboratório experimental do tropicalismo. Mas sua mais importante contribiuição a história da psicodelia nacional é o o disco lançado em 68, com arranjos de Damiano Cozzela, que traz os mais radicais experimentos sonoros daquela segunda metade de década, somente igualados ou superados pelos Mutantes. É neste disco que está a clássica Silvia, 20 Horas Domingo, recentemente regravada pelo grupo gaúcho Vídeo Hits, com participação do próprio cantor. Ronnie Von ainda gravou mais dois álbuns com essa orientação: A Misteriosa Luta do Reino de Parassempre Contra o Império de Nuncamais e A Máquina do Tempo, o último antecipando o rock progressivo, que chegaria ao Brasil um pouco mais tarde. Atualmente, Ronnie Von tem sido alvo de um revival que, definitivamente, resgata a sua verdadeira importância na história do rock nacional.


OS BRAZÕES - Os Brazões 1969
Grupo responsável por uma das melhores fusões de tropicalismo com psicodelia universal, festejada por Nelson Motta, na contra-capa do seu único álbum, lançado 70. Integravam os Brazões, Miguel (guitarra base), Eduardo (bateria), Roberto (guitarra solo) e Taco (baixo). Tornaram-se conhecidos por acompanhar Gal Costa em shows e defender Gothan City, de Macalé e Capinam, no IV Festival Internacional da Canção Popular, em 69 (a mesma que ganhou cover punk do Camisa de Vênus, nos anos oitenta). Lançaram um dos principais trabalhos da discografia psico-tropicalista, recheado de guitarras fuzz, contendo versões para clássicos como Pega a Voga Cabeludo, Volkswagen Blues e Modulo Lunar. Miguel, depois Miguel de Deus, entrou de cabeça na onda funk, gravando o álbum Black Soul Brothers (77).



O BANDO - O Bando 1969
Outra banda que misturou MPB, música regional e pitadas de psicodelia. Em 69, lançou seu único álbum, com arranjos dos maestros Rogério Duprat, Damiano Cozzela e Júlio Medaglia. Em clima tropicalista, cantam Jorge Ben, Caetano Veloso e os novatos gaúchos Hermes Aquino e Lais Marques. Integravam O Bando, Diógenes, a cantora Marisa Fossa (que depois gravou com Duprat), Américo, Dudu, Emílio, Paulinho e Rodolpho.




BLOW UP - Blow Up 1969
Nascido em Santos, com o nome The Black Cats, começou tocando rock instrumental, passou pela beatlemania e, no final dos anos 60, acabou na psicodelia. Inspirado no filme homônimo de Antonioni, trocou de nome e gravou dois álbuns com a nova orientação: o primeiro em 69, e o segundo em 71, chamado apenas Blow Up, mas também conhecido como Expresso 21. Integravam a primeira formação Robson (guitarra solo), Hélio (bateria), Tivo (baixo e vocal), Zé Luis (vocal), Nelson (teclado) e Adalberto (guitarra base).


OS LEIF'S - Os Leif's 1967-1970
Histórico grupo baiano formado pelo guitarrista Pepeu Gomes, seu irmão Jorginho, mais Carlinhos e Lico, que acompanhou Caetano Veloso e Gilberto Gil no show-disco Barra (69). Também foi responsável pelo acompanhamento psico-tropicalista em diversas faixas do primeiro álbum dos Novos Baianos - Ferro na Boneca (70), com destaque para a fuzz-guitar de Pepeu. Antes, formavam Os Minos, que gravou dois compactos, pelo selo Copacabana, em 67.



SOM IMAGINÁRIO - Som Imaginário 1970
Outro grupo que passeou com maestria nas fronteiras da psicodelia
e do progressivo com a moderna MPB e toques de jazz, produzindo clássicos do gênero como Morse, Super God, Cenouras (… "vou plantar cenouras na sua cabeça"). Integraram o grupo em suas várias formações mestres do instrumento, como Wagner Tiso (teclados), Luís Alves (contrabaixo), Robertinho Silva (bateria), Tavito (violão), Frederyko (guitarra), Zé Rodrix (teclados, voz e flauta), Laudir de Oliveira (percussão), Naná Vasconcelos (percussão) e, ainda, ocasionalmente, Nivaldo Ornelas (sax) e Toninho Horta (guitarra). Gravaram os discos Som Imaginário (70), Som Imaginário - 2 (71) e Matança do Porco (73). Os três lps foram relançados conjuntamente em cd, em 98, pela gravadora EMI, enquanto a música Super-God (do primeiro lp) foi incluida na coletânea Love, Peace & Poetry - Latin American Psychedelic Music, lançada pelo selo alemão Q.D.K Media.


A BOLHA - Um Passo À Frente 1973
Legendária banda do rock nacional, formada em 65, no Rio de Janeiro, pelos irmãos Cesar e Renato Ladeira (guitarra e teclados), mais Lincoln Bittencourt (baixo) e Ricardo (bateria), gravou um único compacto nesta fase, com o nome The Bubbles, em 66. No final da década, assumiram o nome A Bolha e orientaram seu som para o hard rock, inicialmente, e depois para climas progressivos-psicodélicos. Em 1970, acompanharam Gal Costa na excursão a Portugal e assistiram ao festival da Ilha de Wight, na Inglaterra. Com nova formação - Renato (teclados), Pedro Lima (guitarra), Arnaldo Brandão (baixo) e Gustavo Schroeter (bateria), gravou o clássico compacto Sem Nada/18:30 (Os Hemadecons Cantavam em Coro Chôôôôô ...), em 1971, e mais dois álbuns - Um Passo à Frente (73) e É Proibido Fumar (77). O primeiro álbum já ganhou reedição em cd, que traz ainda o segundo compacto.


O TERÇO - Criaturas da Noite 1975
Um dos mais expressivos grupos dos anos 70, O Terço transitou por todas as praias, indo do folk-rock ao progressivo, sempre com elementos psicodélicos. Originalmente formado por Sérgio Hinds, Jorge Amiden, Vinicius Cantuária, gravou dois álbuns com orientação psicodélica (o primeiro) e progressiva (o segundo). Em 75, depois de alguns compactos, e incorporando o folk e sonoridades regionais, o grupo gravou Criaturas da Noite, com arranjos de Rogério Duprat e capa de Antônio Peticov. Na mesma época, com as mesmas bases instrumentais, mas com vocais em inglês, o álbum foi lançado na América Latina e na Europa (no Brasil, saiu apenas um compacto com Criaturas da Noite/Queimada - Creatures of Night/Shining Days, Summer Nights). O Terço ainda gravou outro clássico da discografia roqueira nacional, o álbum Casa Encantada (lançado em um "dois em um" junto com Criaturas da Noite).


SPECTRUM - Geração Bendita 1971
Um dos mais raros grupos de psicodelia do Brasil, formado eventualmente pelos atores e participantes do filme Geração Bendita, dirigido por Carlos Bini e rodado em Nova Friburgo, no Rio de Janeiro, em 1971. Denominado Spectrum, o grupo integrado pelos músicos/atores Toby, Fernando, Caetano, Serginho e David gravaram o disco Geração Bendita, com letras falando do clima do filme e da época e guitarras distorcidades. Lançado no mesmo ano, o disco é uma das peças mais raras da discografia do rock nacional, com edição apenas no exterior.


EQUIPE MERCADO - Singles 1971 / Diana & Stull 1972
Liderado pela dupla Diana & Stull o grupo agitava a cena carioca com seu rock psicodélico no início dos anos 70. Também integravam o grupo, Leugruber e Ricardo Guinsburg (guitarras, violões e vocais), Carlos Graça (bateria) e Ronaldo Periassu (percussão e texto). Participaram do show 'Betty Faria, Leila Diniz e o Mercado Na Deles', dirigido por Neville D'Almeida, com texto de Luis Carlos Maciel (editor do Rolling Stone). Participaram de coletânea ao lado de Som Imaginário, Módulo 1000 e Tribo, com a música Marina Belair.


A TRIBO - Joyce & A Tribo 1969-1971
Outro grupo que transitou entre MPB, jazz e sonoridade regionais, com roupagem psicodélica. Integravam o grupo os músicos Toninho Horta, Joyce, Novelli, Hélcio Milito, Nelson Angelo e Naná Vasconcelos. O grupo gravou as músicas "Kirye" e "Peba & Pebó", presentes na coletânea lançada pela Odeon, ao lado dos grupos Módulo 1000, Equipe Mercado e Som Imaginário.




BANGO - Bango 1971
Um dos raros grupos contemporâneos que demonstrou explícita influência dos Mutantes, que pode ser conferida em seu único álbum (Musidisc, 71). Som pesado, fuzz-guitar e letras viajandonas produziram um som com qualidade internacional. Seus integrantes - Aramis, Sérgio, Elydio e Roosevelt - eram oriundos do grupo carioca de Jovem Guarda, Os Canibais, autor de um ótimo disco (68), contendo covers de Turtles, Outsiders (EUA) e Turtles.



MÓDULO 1000 - Não Fale com Paredes 1970
Grupo de hard-psicodélico-progressivo formado no início dos anos setenta, considerando internacionalmente um dos melhores do gênero, ao lado do também carioca Spectrum. Integravam o grupo Luis Paulo (órgão, piano, vocal), Eduardo (baixo), Daniel (guitarra, violão, vocal) e Candinho (bateria). Gravou um único lp chamado Não Fale Com Paredes, pelo selo Top Tape, em 71, e alguns poucos compactos. O lp original, incluindo a capa em três partes, foi relançado quase anonimamente pelo selo Projeto Luz Eterna (98). Em setembro de 2000, o álbum também ganhou reedição em vinil na Alemanha, novamente com reprodução integral da arte original. A música Lem Ed Êcalg (Mel de Glacê, ao contrário) ainda foi incluída na coletânea de bandas psicodélicas latinas Love, Peace & Poetry, ao lado do Som Imaginário.




MATUSKELA - Matuskela 1973
Grupo brasiliense liderado por Anapolino (Lino), mais Didi, Toninho Terra, Zeca da Bahia e Vandão, que fez grande sucesso local no início dos anos setenta. Gravaram um lp chamado Matuskela, pelo selo Chantecler, com sonoridade folk-psicodélica, destacando-se a canção A Idade do Louco, de Zeca da Bahia e Clodo, que depois fez parte do trio Clodo, Clésio & Climério. A capa do álbum, com o grupo sentado em uma gigante mão de pedra, é outra raridade da iconografia nacional.



DAMINHÃO EXPERIÊNCIA - Planeta Lamma 1974
Autodefinindo-se como "doidão" e influenciado por Jimi Hendrix, produziu raros e surpreendentes discos, misturando psicodelia, blues, sons afro-orientais, guitarras "Frank Zappa" e letras absurdas e incompreensíveis. Lançou seu primeiro disco em 74, intitulado Damião Experiência no Planeta Lamma, que abriu caminho para outras clássicas raridades, como Damião Experiença Chupando Cana Verde no Planeta Lamma e Em Boca Calada Não Entra Mosca, Só Felicidade.


LULA CÔRTES & ZÉ RAMALHO - Paêbirú 1975
Em parceria, a dupla produziu a síntese mais alucinada do que se poderia chamar de psicodelia brasileira: o álbum duplo Paêbirú (O Caminho do Sol), que mistura sonoridades regionais, experimentalismo tropicalista e influência do rock internacional. Solo, Lula Côrtes gravou em 73, o também clássico Satwa, com participação de Lailson e do guitarrista Robertinho de Recife, onde repete a explosiva mistura em canções com nomes como Valsa dos Cogumelos ou Alegro Piradíssimo. Zé Ramalho, por sua vez, cinco anos depois, também lançou Avohay reverberando a já fora de moda psicodelia em canções como A Dança das Borboletas. Um álbum clássico, ainda por ser devidamente incluido entre as principais manifestações da mais radical psicodelia nacional e mundial. Exceto Avohay, os dois discos foram lançados de forma alternativa, por selos regionais.



FLAVIOLA E O BANDO DO SOL - Flaviola e o Bando do Sol 1974
Outro representante da geração nordestina pós-tropicalismo, que teve em Paêbirú, de Lula Côrtes e Zé Ramalho, sua expressão mais radical. Também pernambucano, Flaviola e o Bando do Sul gravou apenas um álbum, lançado pelo selo local Solar, em 1974. Com base em ritmos regionais, produziram um raro mix de folk-rock-psicodelia, que permanece com extrema atualidade. Instrumental rico, na base de violões, violas, guitarras, flautas e percussão.


GRUPO SOMA - Singles 1971-1974
Trio formado pelo ex-The Outcasts, Bruce Henry (baixo), mais Jaime Shields (guitarra), Alírio Lima (bateria e percussão) e Court (vocal e flauta) - ou seja, Richard Court, o futuro Ritchie. Participaram do lp O Banquete dos Mendigos, gravado ao vivo em 1974, em comemoração dos 25 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos, com a música P.F., com letras em inglês. O grupo ainda gravou mais quatro músicas, que integram a obscura coletânea Barbarella, lançada em 1971.



A BARCA DO SOL - Durante O Verão 1976
Em meados dos anos setenta, a Barca do Sol botou pra quebrar na cena underground, produzindo uma refinada mistura de MPB, sonoridades progressivas/psicodélicas, instrumental quase barroco e poesia (Geraldinho Carneiro). A apresentação das músicas do lp Durante o Verão, em forma de cardápio, define o clima da Barca do Sol: O Banquete (sal de frutas, Sargent Pepper's, sopa de cabeça de bode) … Beladonna, Lady od The Rocks (cogumelos, candomblé, corações solitários) … Espécie de padrinho do grupo, Egberto Gismonti produziu o primeiro álbum, que introduzia o uso de sintetizador em duas faixas, novidade na época. A Barca do Sol gravou três discos: A Barca do Sol (74), Durante o Verão (76) e Pirata (79), os dois primeiros reeditados no formato dois em um. A Barca do Sol, entre 74 e 81, contou com Jacques Morelembaum, Nando Carneiro, os irmãos Muri Costa e Marcelo Costa, Beto Resende, Marcelo Bernardes, Alan Pierre e David Ganc, além de Stull e Richard Court, o Ritchie.



MOTO PERPÉTUO - Moto Perpétuo 1974
Liderado pelo ex-Brazilian Boys, Guilherme Arantes, que depois fez sucesso como compositor e intérprete solo, gravou um álbum com forte influência do psicodélico-progressivo na linha "Yes". Integravam o grupo, além de Arantes (teclados e vocal), Egydio Conde (guitarra solo e vocais), Diógenes Burani (percussão e vocais), Gerson Tatini (baixo e vocal) e Claudio Lucci (violão, violoncelo, guitarra e vocal). O disco tem produção de Pena Schmit.




PERFUME AZUL DO SOL - Nascimento 1974
Grupo paulista formado por Ana (voz e piano), Benvindo (voz e violão), Jean (voz e guitarra) e Gil (bateria e vocal). Com visual hippie e psicodelia derivada de ritmos e instrumental regionais, gravaram um único álbum - Nascimento -, pelo selo Chantecler, em 1974. O baixista Pedrão, depois integrou o Som Nosso de Cada Dia, ao lado do ex-Íncríveis, Manito.




CASA DAS MÁQUINAS - Lar das Maravilhas 1975
Transitando entre o glam e o hard rock, o grupo Casa das Máquinas gravou o álbum Lar das Maravilhas (75), um clássico do mix psico-progressivo nacional. Liderado pelo ex-baterista dos Incríveis, Netinho, o Casa contava ainda com o ex-Som Beat, Aroldo Santarosa, Pisca, Carlos Geraldo, Marinho, Marinho II, Simba.O futuro vocalista do Golpe de Estado, Catalau participava do grupo, dividindo a autoria de várias canções.



AVE SANGRIA - Ave Sangria 1975
Na onda da "invasão nordestina", o Ave Sangria foi uma das primeiras e mais radicais bandas, misturando sonoridades regionais, blues e rock com roupagem psicodélica. Formada por Marco Polo (vocais), Almir (baixo), Israel Semente (bateria), Juliano (percussão), contava ainda com a presença de dois grandes guitarristas: Ivson Wanderley (Ivinho), que também gravou um raro álbum de viola ao vivo no Festival de Montreaux, e Paulo Raphael, que depois tocou com Alceu Valença. A banda gravou apenas um luminoso e instigante álbum, destacando as faixas Dois Navegantes, Momento na Praça, Cidade Grande e a instrumental Sob o Sol de Satã. Lançado pelo selo Continental em 75, o álbum Ave Sangria foi reeditado em vinil em 90 (pela Baratos Afins), mas permanece inédito no formato digital. Ainda por ser redescoberto em toda sua beleza, o álbum tem uma das mais criativas capas da iconografia roqueira nacional (Sérgio Grecu e Equipe).



UTOPIA - Singles 197?
Legenda do rock rock gaúcho, que agitou a cena local em meados dos anos setenta. Misturando sonoridades regionais, músicas árabe e folk rock, realizou shows memoráveis na capital gaúcha. Integravam o grupo Bebeto Alves - que desenvolveu carreira solo - (guitarra, viola de 12 e flauta), Ricardo Frota (violino) e Ronald Frota (violões). Deixaram apenas registros radiofônicos (na legendária rádio Continental), tendo um deles - Coração de Maçã, resgatado no cd A Música de Porto de Alegre.




SOM NOSSO DE CADA DIA - Snegs 1974
Liderado pelo multi-instrumentista Manito, ex-integrante do grupos Os Incríveis (antes, The Clevers), o Som Nosso de Cada Dia foi um dos expontes do som psicodélico-progressivo dos anos setenta. Ao lado de Manito estavam Pedrinho (baterial e vocal), Pedrão (baixo, viola e vocal). Além de Marcinha (coro), ainda participaram do grupo Egídio (guitarra), Dino Vicente (teclados) e Rangel (percussão). O grupo gravou dois lps, Snegs (1975) e Som Nosso de Cada Dia (1976).




VELUDO - Ao Vivo 1975
Uma das legendas do hard rock-progressivo nacional, formado por volta de 1974 por Nelsinho Laranjeiras (baixo), Elias Mizrahi (teclados), Paul de Castro (guitarra) e Gustavo Schroeter (bateria). Responsável por fantásticas e longas jams instrumentais, teve um desses momentos resgatado recentemente, com o lançamento de cd contendo o show realizado no festival Banana Progressiva, realizado em São Paulo, em 1975.




VÍMANA - Zebra - On The Rocks 1977
Espécie de ponte entre os anos setenta e oitenta, o Vímana brilhou na cena carioca com seu hard-progressivo. Formado em 1974, contava com Lulu Santos (guitarra), Lobão (bateria), Fernando Gama (baixo) e Ritchie (vocais). Deixaram gravado um compacto, contendo a música Zebra e participaram de discos de outros artistas, destacando-se Luiza Maria e Fagner (nas músicas Riacho do Navio e Antônio Conselheiro, do disco Ave Noturna).



MARCONI NOTARO - No Sub-Reino dos Metazoários 1973
Contemporâneo de Lula Côrtes, Zé Ramalho e Lailson, Marconi Notaro gravou o LP 'No Sub Reino dos Metazoários', na linha de obras clássicas como 'Paebirú' e 'Satwa'. Lançado em 1973, e um dos mais raros da discografia nacional, o disco contém peças da mais radical psicodelia nordestina pós-tropicalista. Participam do disco Zé Ramalho, Lula Côrtes, Robertinho de Recife e outros músicos da região.
Escrito por Fernando Rosa e divulgado no blog "A Horse No Name", de Minduim Mateus; com os nossos agradecimentos


08 junho 2015

Roxette - Excelente Pop Rock Sueco Anos 90



Roxette é uma dupla de pop rock sueca formada por Marie Fredriksson e Per Gessle. A dupla alcançou sucesso mundial entre o fim dos anos 80 até meados da década de 90, período em que tiveram dezenove singles no top 40 do UK Singles Chart1 e quatro singles no primeiro lugar nos Estados Unidos: "The Look", "Listen to Your Heart", "It Must Have Been Love" e "Joyride".

Além disso a dupla foi contemplada com dois álbuns de platina - Look Sharp!, de1988 (lançado nos Estados Unidos em 1989) e Joyride, de 1991, e mais dois singles de ouro — "The Look" e "It Must Have Been Love". Ao longo de mais de vinte anos de carreira Roxette vendeu mais de 60 milhões de álbuns no mundo todo.

A dica para quem gosta do estilo é a coletânea dupla "Roxette - The 30 Biggest Hits", lançada em 2014, que contém todos os grandes sucessos da dupla.

                            Encontre-nos nas Redes Sociais

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...