Faça seu Registro Aqui

bandeira-brasil-imagem-animada-0009
Encontre-nos
Bem-vindos!   Só atenderemos pedidos de Informações de Seguidores do blog
e se forem solicitados exclusivamente através do nosso Email.   Obrigado.

30 dezembro 2014

YES - Soon - Live in Amsterdam 2001 (tradução)

             


Que a esperança em um ano novo cheio de paz e realizações pessoais venha nos dar o alento necessário para prosseguirmos persistentes neste findar de um ano duro e vergonhoso. Que Deus ilumine as mentes perversas para que trabalhem mais no sentido de aliviar o sofrimento deste povo maltratado. Que a madrastra se transforme em mãe gentil e protetora.

Neste vídeo, a fabulosa banda YES canta "Soon" - maravilhosa canção cuja letra nos leva a um estado de graça que nos prepara para a entrada em 2015 com o pé direito - o que já é alguma coisa... E que venha o ano novo!

28 dezembro 2014

Seals & Crofts - Dupla do Soft Rock Americano Anos 70



Seals & Crofts é uma dupla de músicos norte-americanos, que fazia lindas canções de estilo soft rock e pop rock, formada pelos texanos Jim Seals (guitarra, saxofone, violino) e Dash Crofts (bateria, bandolim e teclado), cujo trabalho caracteriza-se pela harmonia dos vocais e certa ingenuidade das letras.

Ambos faziam parte da banda The Champs, onde Dash Crofts tocava bateria. Em seguida criaram o grupo The Dawnbreakers, que terminou quando todos seus integrantes se converteram à religião Baha'i

Os dois começaram então a atuar como dupla no início dos anos 70 e utilizavam a música para propagar suas crenças, como por exemplo, no LP "Urborn Child", que condena o aborto. Por volta de 1973, ganharam o primeiro disco de ouro e, a partir daí, todo trabalho da dupla acabava convertendo-se em disco de ouro ou platina, embora a crítica os considere uma dupla pop tradicional com pretensões a fazer soul music. 

Autores de todo o seu repertório, ficaram muito famosos com a canção " Summer Breeze ", em 1972. Depois vieram "We May Never Pass This Way (Again)", "My Fair Share", "You're The Love", "The First Years" e outras. Em 1976, começaram a utilizar Carolyn Willis nos vocais.Fizeram também algumas trilhas sonoras para filmes e desenhos animados de Hanna-Barbera.
Pesquisa: Wikipedia

O disco acima, "Seals & Crofts - Greatest Hits", lançado em 1975, é o indicado de hoje para download, que contém alguns dos grandes sucessos da dupla.

Seals & Crofts ~ Summer Breeze (tradução)

             


Seals & Crofts - Summer Breeze (tradução)


Brisa de Verão

Veja as cortinas penduradas na Janela
Na noite de numa sexta à noite
Pequena Luz está brilhando através da janela
Deixa-me saber que está tudo bem

Brisa de Verão
Me faça sentir bem
Soprando jasmin através da minha mente

Brisa de Verão
Me faça sentir bem
Soprando jasmin através da minha mente

Ver o Livro Deitado Na Calçada
Pouco de música vindo da porta Casa ão lado
Então, eu caminhava até o pé das pistas
Através da tela e pelo chão

Brisa de Verão
Me faça sentir bem
Soprando jasmin através da minha mente

Brisa de Verão
Me faça sentir bem
Soprando jasmin através da minha mente

Dias doce de verão
O pé de Jasmin está em flor
Julho se veste tocando sua canção
E eu volto para casa
A partir de um árduo dia de trabalho
E você está lá esperando
Sem um cuidado no mundo

Ver o sorriso de espera na Cozinha
Com a comida pronta e um lugar para dois
Sentir os braços me rodeando forte
Na noite quando o dia está terminando

Brisa de Verão
Me faça sentir bem
Soprando jasmin através da minha mente

Brisa de Verão
Me faça sentir bem
Soprando jasmin através da minha mente
Tradução: letras.mus.br

Seals & Crofts - Diamond Girl

             

Seals & Crofts - Get Closer

             

24 dezembro 2014

Dollar - Dupla Romântica de Sucesso dos Anos 70/80



Dollar foi o nome dado a uma dupla romântica de música pop britânica que fez muito sucesso no final dos anos 70, início dos anos 80. Bem no finalzinho dos anos 70 a dupla lançou as canções "Shooting Star", "Who Were You Com in the Moonlight", "Love's Gotta Hold on Me", e outras que fizeram bastante sucesso.

Em 1980 deixaram a antiga gravadora e assinaram contrato com a Warner onde viveram um sucesso ainda maior emplacando lindas canções nas paradas a nível mundial. Que eu me lembre, os sucessos que chegaram a estourar aqui no Brasil foram "I Need Your Love" e "Shooting Star".

Em 1982 a dupla chegou a lançar uma ótima coletânea: "The Very Best of Dollar", cuja capa está acima, e contém todos os grandes sucessos da dupla. Confiram!


Tracklist:

Who Were You With in the Moonlight
I Need Your Love
Ring Ring
Love's Gotta Hold on Me
Love Street
Overture
Shooting Star
Tokyo
Star Control
I Want To Hold Your Hand

Dollar - I Need Your Love (tradução)

             

Dollar - Who Were You With In The Moonlight (tradução)

             

Dollar - Shooting Star

             

22 dezembro 2014

O "Samba Jazz" - Um jeito Mais Refinado de Fazer Samba



Lendo uma excelente matéria sobre a história do Samba Jazz, de autoria do produtor, escritor e crítico musical José Domingos Raffaelli, achei por bem compartilhar o assunto que vem a complementar o conteúdo sobre teoria musical no blog.

Segundo Raffaelli, "a princípio aparentemente distantes e separados, o jazz e a música brasileira têm muito em comum, a começar pelas próprias origens africanas. O que aconteceu após a chegada dos escravos no Brasil e nos Estados Unidos, seu desenvolvimento e onde suas origens musicais se reencontraram são aspectos históricos importantes.

O que existe relacionando a música brasileira com o jazz? Nossa música foi influenciada pelo jazz e pela música americana? E nossos músicos influenciaram os jazzmen americanos? Uma abordagem sobre esse palpitante e fascinante assunto, sob diversos ângulos, permite observações e esclarecimentos sobre as ocorrências que se verificaram através dos tempos, as preferências dos brasileiros em relação aos músicos americanos, nossos músicos que brilham ou brilharam no exterior e outros aspectos ligados ao desenvolvimento das duas linguagens chegando nessa mistura que resultou no estilo denominado samba-jazz, jazz-samba, como preferem os americanos.

As relações entre o jazz e a música brasileira são muito mais íntimas do que possam aparentar. É uma intimidade que surpreende após a sua constatação. Suas origens são exatamente as mesmas, provenientes da cultura negra trazida pelos escravos africanos originários das mesmas regiões da costa ocidental do continente africano. O destino separou os irmãos africanos pelos hemisférios das duas Américas, porém suas raízes foram as mesmas.

No Brasil, foram os ritmos da música folclórica portuguesa os primeiros sintomas alienígenas a influenciarem as raízes africanas. Essas mudanças processaram-se lentamente e possivelmente muita coisa perdeu-se na poeira do tempo.

No lado americano, o ragtime, de caráter fortemente sincopado, foi um prolongamento natural da mistura entre a música dos escravos, a quadrilha francesa e a música de uma dança conhecida como cakewalk.

O pianista Scott Joplin (1868-1917) foi o mais famoso compositor de ragtime, influenciando incontáveis músicos. Por alguma razão aparentemente misteriosa até hoje não detectada, a música de Ernesto Nazareth (1863-1934), um dos precursores do chorinho, da polca e da valsa em nosso país, soa como parente muito próximo do ragtime. Essa constatação levou alguns musicólogos e tentarem desvendar o vínculo entre o ragtime e o chorinho, antecessores legítimos do jazz e da música popular brasileira, porém, foram frustrados todos os esforços nesse sentido.

Afinal, como o jazz influenciou a música brasileira ? No início dos anos 20 do século passado, o fox-trot chegou ao Brasil interpretado por grupos americanos que tocavam no Teatro Assyrio, na época a principal casa noturna do Rio de Janeiro. Os músicos brasileiros acotovelavam-se para ouvir os americanos, aprendendo as melodias, assimilando os ritmos, o fraseado e os maneirismos da execução do fox-trot, absorvendo uma influência que se acentuaria nas décadas seguintes. Esta influência foi se acentuando cada vez mais. Nossos músicos – com exceção dos intérpretes de choro, da música tradicional e dos ritmos nordestinos – foram influenciados pelos músicos de jazz.

Afinal, quando, como e onde começou a mistura do jazz com o samba que resultou na música instrumental brasileira moderna? A semente que germinou essa fusão foi plantada em abril de 1953 pelo violonista Laurindo Almeida e o saxofonista Bud Shank quando gravaram o seminal disco "Brazilliance", em Los Angeles. Nesse disco experimental, o violonista brasileiro e o saxofonista de jazz apresentaram uma novidade revolucionária: as improvisações de Shank tocando repertório brasileiro em linguagem jazzística. Em grande forma, Shank adaptou-se inteiramente ao contexto, assentando as bases do que na década seguinte chamariam de jazz-samba, que no Brasil ficou conhecido por samba-jazz. O impacto daquele disco em nosso meio musical foi extraordinário, abrindo as portas para um estilo até então inimaginável. Curiosamente, na época um conhecido saxofonista brasileiro declarou enfaticamente que era impossível improvisar sobre música brasileira, porém, posteriormente, ele adotou a improvisação jazzística na temática brasileira dos seus discos. "Brazilliance" foi editado no Brasil e conquistou imediatamente uma nova geração de músicos que vieram a ser figuras de relevo na bossa nova e, posteriormente, no samba-jazz.

Outro fator importante precursor do samba-jazz no Brasil foi o revolucionário disco "Turma da Gafieira", com Altamiro Carrilho (flauta), Zé Bodega e Maestro Cipó (saxes-tenor), Raul de Souza (trombone), Sivuca (acordeão), Baden Powell (violão), José Marinho (baixo) e Edison Machado (bateria). Além das improvisações nos solos, a atuação de Edison Machado incorporou uma inovação que causou surpresa, desagrado e controvérsia entre os renitentes cultores do samba: ele utilizou os pratos da bateria em seus estimulantes acompanhamentos, algo totalmente inédito e inconcebível para os músicos da época.

Mas, o que é improvisação jazzística? Para um músico, improvisar significa criar novas melodias sobre a estrutura harmônica de uma composição ao sabor da sua imaginação. Em outras palavras, ter total liberdade para expressar sua própria concepção explorando suas idéias melódicas num clima prevalecendo a espontaneidade e a originalidade, injetando variações de coloridos tonais, nuances rítmicas e inflexões. Por isso o jazz é a música do indivíduo e a improvisação é um elemento essencial da sua linguagem. Para avaliar esses elementos inseridos pelos solistas, é suficiente comparar as inúmeras gravações das mesmas músicas por diversos músicos, constatando que todas diferem das demais porque cada músico improvisa à sua própria maneira.

A partir de 1958, a bossa nova conquistou imediatamente a juventude brasileira ocasionando uma radical transformação melódico-harmônico-rítmica na nossa música popular, inaugurando o período moderno da MPB.

Com o sucesso do rock & roll em todo o mundo nos anos 60, a bossa nova e o samba-jazz deixaram de ser a música da juventude brasileira porque ganhava força e popularidade a Jovem Guarda, invadindo como um tsunami os meios de comunicação do pais. Foi quando Mauricio Einhorn declarou sua famosa frase: "A saída para o músico brasileiro é o Aeroporto do Galeão", que alguns mal-informados atribuem a Tom Jobim. Muitos deixaram o país em busca de outras paragens para tentar a sorte. Alguns foram bem-sucedidos, outros nem tanto. Vale ressaltar que vários desses músicos tocam com freqüência em festivais de jazz europeus e americanos.

Enquanto no Brasil a bossa nova e o samba-jazz estavam em recesso forçado devido às preferências do público roqueiro, em outros países continuavam sendo apreciados e cultuados, valorizando nossos artistas, que ganharam novos mercados internacionais solidificando suas carreiras. Essa valorização no exterior, inclusive com a edição de centenas de discos de bossa nova e samba-jazz nos Estados Unidos, Europa e, principalmente, Japão, ocasionou uma reviravolta no Brasil com o retorno do samba-jazz no repertório dos músicos mais jovens. Daí aconteceram três grandes eventos que movimentaram as duas maiores cidades do país e as novas gerações de músicos surgidas a partir dos anos 80/90 trouxeram uma injeção de sangue novo ao samba-jazz.

Agora o samba-jazz chegou para manter uma relevante posição na música brasileira. Apesar de combatido pelos renitentes xenófobos de plantão, que desdenhosamente insistem em afirmar tratar-se de música americana, continua conquistando novos talentos e adeptos no Brasil e em vários países do mundo. A despeito desses handicaps, o samba-jazz resiste bravamente, nossos músicos prosseguem espargindo sua música em concertos, casas noturnas, bares, quiosques, espaços oficiais e alternativos, com boa afluência de público, além de continuar sendo grande atração no Japão, onde tem público cativo, nos festivais europeus e americanos." Cá pra nós..., o samba jazz é a forma mais refinada e audível de se curtir um samba!
Clique aqui para ler a matéria na íntegra

20 dezembro 2014

A Bolha - Um Clássico do Rock Brasileiro Anos 70



A Bolha foi uma banda de rock brasileira formada em 1965 no Rio de Janeiro, com o nome The Bubbles. Participou ativamente do circuito de bailes, programas de rádio e de tv que existia na capital carioca naquela época. No início tocavam apenas covers ou versões de canções e bandas de sucesso da Europa e dos Estados Unidos.

No início dos anos 70, passaram a compor canções próprias e chegaram a gravar dois álbuns, um em 1973 e este em 1977. Encerraram as atividades em 1978, mas voltaram a ativa em 2004, chegando a gravar um novo álbum, para então pararem novamente.

Tocaram como banda de apoio para Gal CostaLeno, Márcio Greyck, Raul Seixas e Erasmo Carlos. Seus integrantes deram origem ou integraram várias bandas que fariam sucesso nas décadas de 70 e 80 como Bixo da Seda, Herva Doce, A Cor do Som, Roupa Nova e Hanói-Hanói.
Dicas do Wikipedia

A especialidade do grupo era o rock, nas versões psicodélica, hard e progressiva. Uma banda que passou quase despercebida no tempo; grandes valores que não foram tão notados na época; uma banda ainda conhecida por poucos hoje.

Dos dois discos lançados no período ativo própriamente dito, indico este acima como dica para o download de hoje, lançado em 1977, com o título: "A Bolha - É Proibido Fumar". E, caso esbarrem com o primeiro deles na internet, lançado em 1973 e entitulado: "A Bolha - Um Passo a Frente", não tenham dúvida em baixá-lo também, pois é tão bom quanto o segundo. Na verdade, vale a pena conferir os dois! Segue as faixas do segundo disco:

Faixas do disco:

01 - Deixa Tudo De Lado
02 - Difícil é Ser Fiel
03 - É Proibido Fumar
04 - Estações
05 - Sai Do Ar
06 - Consideração
07 - Torta De Maçã
08 - Luzes Da Cidade
09 - Clímax
10 - Vem Quente Que Eu Estou Fervendo
11 - Talão De Cheques


A Bolha - Não Sei

             

A Bolha - Sem Nada

             

A Bolha - É Proibido Fumar

             

16 dezembro 2014

Coleção "Antena 1" - Os Maiores Clássicos de Todos Os Tempos (4 Volumes)

A dica de hoje é esta ótima coletânea lançada em 2013, com os maiores clássicos de todos os tempos, distribuidos em 4 CDs, num total de 78 músicas criteriosamente escolhidas. Vale a pena adquirí-la. Confiram!


CD1
01. Anna (Go To Him) – The Beatles
02. Trouble – Lindsey Buckingham
03. The Right Thing To Do – Carly Simon
04. Fantasy – Earth, Wind & Fire
05. Out Of Touch – Darly Hall & John Oates
06. These Dreams – Heart
07. It’s a Heartache – Bonnie Tyler
08. More Than a Woman – Bee Gees
09. More Love – Kim Carnes
10. Up Where We Belong – Jennifer Warnes & Joe Cocker
11. How Long – Rod Stewart
12. You’ve Got It – Simply Red
13. My Life – Billy Joel
14. You’re The First, The Last, My Everything – Gloria & Barry White
15. Dust In The Wind – Kansas
16. How Sweet It Is (To Be Loved By You) – James Taylor
17. Lover Why – Century
18. Paradise Is Here – Tina Turner

CD2
01. Times Passages – Al Stewart
02. Last Train To London – E.L.O.
03. Voyage, Voyage – Desireless
04. Once Upon a Long Ago – Paul McCartney
05. Missing You – Chris de Burgh
06. Yah Mo B There – Michael McDonald & James Ingram
07. Hold Me – Fleetwood Mac
08. Radio Ga Ga – Queen
09. Upside Down – Diana Ross
10. Like a Fool – Robin Gibb
11. Magic – Olivia Newton-John
12. I Like Chopin – Gazebo
13. Whishing On a Star – The Cover Girls
14. All Time High – Rita Coolidge
15. Ships – Barry Manilow
16. The Best Of Times – Styx

CD3
01. (Just Like) Starting Over – John Lennon
02. Arthur’s Theme (Best That You Can Do) – Christopher Cross
03. You’ll See – Madonna
04. Don’t Stop The Dance – Bryan Ferry
05. Time After Time – Cyndi Lauper
06. Take My Breath Away – Berlin
07. Bad Girls – Donna Summer
08. The Boxer – Simon & Garfunkel
09. Promises – Barbra Streisand
10. Stephanie – George Benson
11. Hungry Eyes – Eric Carmen
12. Three Times In Love – Tommy James
13. Got To Be There – Chaka Khan
14. Little Jeannie – Elton John
15. When You’re Gone – Maggie Macneal
16. Still – Commodores

CD4
01. Yesterday Once More – The Carpenters
02. Oh People – Patti LaBelle
03. Heart and Soul – Huey Lewis and The News
04. We’re In This Love Together – Al Jarreau
05. Kiss On My List – Darly Hall & John Oates
06. Just Like You Do – Carly Simon
07. We Are The One – Jimmy Ciff
08. Don’t Dreams It’s Over – Crowded House
09. I Know There’s Something Going On – Frida
10. All My Love In The World – Dionne Warwick
11. Everybody’s Got To Learn Sometime – The Korgis
12. Nothing’s Gonna Stop Now – Starship
13. Her Town Too – James Taylor
14. Crazy For You – Madonna
15. Kissing a Fool – George Michael
16. Just As I Am – Air Supply
17. Forever Young – Rod Stewart
18. The Best – Tina Turner

14 dezembro 2014

Mardi Gras - Sucesso do Rock And Roll Americano dos Anos 70



Mardi Gras foi uma banda de rock and roll americana que lançou vários singles de grande sucesso em toda a Europa, Estados Unidos, chegando até o Brasil pelas mãos de Big Boy, da extinta rádio Mundial. Isto aconteceu entre 1970 e 1972. Um único álbum foi lançado pela banda em 1972 e recebeu o mesmo nome do grupo: Mardi Gras, sendo este a dica para download.

O grupo foi formado por três amigos, Lou Burgio, Bob Azzara, e Flip Cesario, vindos de outras bandas dos anos 60 já existente. Não se encontra quase nenhum registro sobre eles e o seu único álbum lançado também é uma raridade na internet.

O primeiro lançamento da banda foi um cover de "Girl, I have news for you", que de cara alcançou o primeiríssimo lugar na França, entrando também nas paradas da Itália, Holanda, Espanha, e em outros países da Europa.  Logo em seguida conseguiram repetir a façanha com a canção "Too busy thinking of my Baby", desta vez chegando a emplacar na Inglaterra, no UK Singles Chart (1972). A banda ainda lançou mais dois outros singles de sucesso: "Every day I have to cry a little ", em 1971, e "Paris sunshine", em 1972, logo após o lançamento de seu único álbum. Depois o grupo ainda gravou mais uma canção em parceria com o cantor francês Michel Laurent chamada "Sing Sing Barbara," que também obteve o primeiro lugar em parte da Europa, ficando no topo das paradas na Itália por seis meses consecutivos.

Mardi Gras - Girl iIve Got News For You (1970)

             

Esta canção nos traz boas lembranças de 1970, quando era sucesso e tocava em todas as rádios e bailes.

Mardi Gras - Everyday I Have To Cry Some (1971)

             

Matando a saudade com mais este grande sucesso de 1971.

Mardi Gras - Too Busy Thinking About My Baby

             

10 dezembro 2014

Frank Sinatra - Um dos Pioneiros do Romantic Jazz



O excelente cantor americano Frank Sinatra começou sua carreira lá pelos anos 40 criando recorrentes sucessos pelo mundo todo, se tornando um artista de sucesso sem precendentes e ídolo das "bobby boxers", como eram conhecidas as jovens fãs de swing.

Foi considerado um dos maiores intérpretes da música na década de 50, quando já balançava incontáveis corações apaixonados. Com o blues, o pop e o romantic jazz (seu principal estilo musical), fez a cabeça do grande público feminino por gerações. Prova disto foi o show histórico feito no Brasil, na cidade do Rio de Janeiro, onde lotou o Maracanã em 1980, quando tocou para 170 mil pessoas, entrando assim para o livro Guiness de Recordes.

Hoje, deixo como sugestão a coletânea "Frank Sinatra – 50 Greatest Hits", lançada no ano de 2001, para o prazer de quem gosta do estilo e deseja ter os 50 maiores sucessos deste inigualável cantor. A relação das músicas contidas no disco estão logo abaixo.

Tracklist:

1.Lonesome Cities
2.Moonlight Serenade
3.All or nothing At All
4.The Very Thought Of You
5.My Kind Of Town
6.The World We Knew
7.The Girl From Ipanema
8.Somewhere My Love
9.My Way
10.Born Free
11.The Best Is Yet To Come
12.Mrs. Robinson
13.Softly As I Leave You
14.Somethin` Stupid
15.Moon River
16.Let`s Face The Music And Dance
17.Some Enchanted Evening
18.Come Fly With Me
19.Strangers In The Night
20.Love`s Been Good To Me
21.I’ve Been To Town
22.Night And Day
23.The Way You Look Tonight
24.Theme From “New York New York”
25.A Man Alone
26.Come Rain Or Come Shine
27.Fly Me To The Moon
28.What My Way
29.Bewitched
30.This Is My Song
31.Love And Marriage
32.Pennies From Heaven
33.Some Traveling Music
34.Yesterday
35.Something
36.This Is My Love
37.I’ve Got You Under My Skin
38.All The Way
39.America Is Beautiful
40.In The Wee Small Hours Of The Morning
41.For Once In My Life
42.It Was A Very Good Year
43.The Single Man
44.Summer Wind
45.You Are There
46.Three Coins In The Fountain
47.They Can’t Take That Away From Me
48.The Beautiful Strangers
49.That’s Life
50.I Get A Kick Out Of You


Frank Sinatra - My Way

             

Frank Sinatra - Let me Try Again

             

24 novembro 2014

Mopho - Excelente Banda de Rock Psicodélico Alagoana



Mopho é uma banda brasileira de rock formada em 1996, na cidade de Maceió, Alagoas. Seus integrantes são: João Paulo (guitarra, violão e voz), Marcelo Feth (bateria), Bruno Vieira (contrabaixo) e Leonardo Luiz (teclado e voz).

O estilo do grupo ronda o Folk Rock Psicodelico e o Rock Clássico, pendendo, às vezes, para o Hard Rock e o Progressivo. Parece que a banda ainda vive um ecletismo musical, não encontrando ainda um estilo a abraçar. Não conheço toda a discografia do grupo, mas confesso que gostei bastante do que já ouvi.

A dica de hoje fica para o primeiro álbum deles, chamado "Mopho", lançado em 2000, que nos dá um sentimento de que o grupo ainda irá bem mais longe; de que eles sabem o que fazem e que, certamente, não ficarão só no primeiro disco. O grupo dá forte impressão de ser coeso, criativo e competente. Claro que amadurecer sempre é necessário, mas isso virá com o tempo.

Chamo a atenção para o rock psicodélico que é fortemente notado nos teclados e a guitarra, que nos lembra bastante o hard rock anos 70; além das letras do grupo que nos traz algumas referências a algumas bandas famosas como "Os Mutantes", "Som Nosso de Cada Dia" e outras. Não deixem de conhecê-los!


Mopho - A Geladeira

             

Mopho - Uma Leitura Mineral Incrível

             

Mopho - Mosca Sobre A Cabeça

             

12 novembro 2014

Trio Galleta - Raridade Argentina dos Anos 70



Trio Galleta era uma banda de soul rock argentina, formada por Carlos Iturbide (guitarra e vocal), Juan Carlos Saporiti (bateria) e Anibal Conte (baixo) que fez grande sucesso mundial com a música "I'm So Happy", chegando até aqui, em nossa cidade, fazendo parte do repertório das bandas locais, inclusive da nossa, o "Grupo Pytomba". Aqui no Brasil a banda chegou a ocupar o primeiro lugar nas paradas por 4 semanas seguidas com este grande sucesso. Como característica própria o grupo desenvolvia um rock vigoroso misturado a um vocal de levada soul, vistos na época como a versão mais roqueira surgida nos pampas argentinos.

Como era 1970, e não só no Brasil era costume cantar em inglês; com o grupo também não foi diferente. Assim começaram a carreira lançando mão do mesmo recurso para vender discos. E logo, logo, se destacaram com um estilo soul rock bem próprio, além da voz rouca do vocalista Iturbide que dava grande personalidade à banda. De modo geral o grupo também fez relativo sucesso cantando na língua pátria versões de bandas como "The Doors", "Creedence", etc, mas sempre prefiri eles cantando em inglês mesmo.

Em 1972 a canção "I Am So Happy" ficou entre as 100 canções mais tocadas, ficando em 37º lugar. Na época o grupo "The Fevers" até fez uma versão desta música ("Sou Feliz"), quando obteve bastante sucesso, ficando algum tempo em primeiro lugar nas paradas.

Mas em 1975, o grupo muda de estilo, aderindo ao hard rock. Isto coincidiu também com a entrada do guitarrista Eduardo Sanz; de Lito Olmos no baixo e de Maria José na bateria. Resolveram também alterar o nome da banda que passou a chamar "Galleta". Particularmente gostava mais da formação anterior.

Os meus agradecimentos ao amigo Hedson La Playa que me trouxe à lembrança este ótimo e raro grupo, o qual fazia parte da nossa juventude nos anos 70. Boas lembranças daqueles tempos!.. O disco-sugestão para o download de hoje é esta raridade em destaque; e a dica do link para baixá-lo poderá ser fornecida por email.

Tracklist:
01- I’ll see you in the corner
02- Running miles
03- I’m lost
04- I can’t believe it
05- My sorrow is ended
06- I see your face in the windows
07- I am so happy
08- Come to me softly
09- Take it
10- Rock in the jail
11- Georgia on my mind
12- going back to Indiana

Trio Galleta - I'm So Happy

             

Trio Galleta - I'm So Happy (tradução)


Estou tão feliz

Dá-me isso, que eu recebo
Dá-me agora, baby, tudo que eu quero
Glória! Gosto de fazer as coisas Sweety
Agora, eu estou bem é como antes

Por favor, venha para casa para meus braços
Guia meus sonhos com o seu amor
Beijando meus lábios tão ternamente
Ensinar-lhe a viver comigo

Estou tão feliz porque "você está na minha cama
Eu não quero beijar seus lábios, um derby jogado
Você realmente precisa de mim eu sei, não esconder seu amor
Dá-me Eu quero-o como dia antes, como antes

Dá-me isso, que eu recebo
Dá-me agora, baby, tudo que eu quero
Glória! Gosto de fazer as coisas Sweety
Agora, eu estou bem é como antes, então

Estou tão feliz porque "você está na minha cama
Eu não quero beijar seus lábios, um derby jogado
Você realmente precisa de mim eu sei, não esconder seu amor
Dá-me Eu quero-o como dia antes, como antes

Dá-me isso, que eu recebo
Dá-me agora, baby, tudo que eu quero
Vindo as coisas do nosso Sweety
Agora, eu estou bem é como antes
Trad: letras.mus.br

Trio Galleta - Come To Me Softly

             

Trio Galleta - Darling Darling

             

11 novembro 2014

Conversão de Arquivos de Audio Menores para Formatos de Maior Qualidade



Por esses dias recebemos um email nos solicitando ajuda para encontrar um programa que converta Mp3 ou CDDA para FLAC. Hoje, complementaremos a matéria anterior, esclarecendo o assunto de forma rápida e bastante elucidativa, pois acreditamos que o tema ainda é uma grande dúvida de boa parcela dos internautas.

Antes de converter qualquer arquivo de áudio você deve compreender que a conversão de arquivos é uma forma de comprimí-los para tamanhos menores, como a própria palavra exprime. Compressão é o procedimento de apertar, diminuir ou encolher esse arquivo, suprimindo dele algumas frequências do áudio original, principalmente os não audíveis para o ouvido humano, para que o arquivo fique menor e ocupe menos espaço no seu HD.

Num exemplo grosseiro, seria como se você, maestro, retirasse de sua orquestra um pouco de violinos; outro tanto de violoncelos; reduzisse pela metade o número de intrumentos de sopro; e mais alguns outros, para que a orquestra se encaixe no orçamento e no espaço onde irá tocar. Certamente o público ouvinte continuará escutando a execução desses instrumentos nas músicas, porém, não temos como fazer essa nova orquestra (menor) executar partituras com a mesma sonoridade e qualidade da anterior, pois falta-lhe membros, espaço e instrumentos. Assim acontece com os arquivos já comprimidos, que nunca mais voltarão a ter mais qualidade do que pode oferecer aquele nível de compressão em que ele se encontra.

Trocando em miúdos essa conversa toda, queremos dizer que é impossível alguém pegar um arquivo Mp3, por exemplo, e convertê-lo para CCDA ou mesmo para FLAC (ou qualquer outro formato de áudio maior), achando que está melhorando sua qualidade. Na realidade, o que aumentou foi só o tamanho do arquivo; o resto continua do mesmo jeito. Portanto, nunca queira melhorar qualidade de áudio convertendo-o para um formato maior, pois assim você somente perderá espaço no seu HD, nada mais.

Se quiser arquivos de qualidade você terá que já encontrá-los num formato não comprimido na internet, ou, pelo menos, com pouca compressão como os formatos CDDA (CD) e FLAC que citou, além de outros como WAV, M4A, APE, AIFF, etc; ou então ripar o vinil ou o CD já no formato desejado, aí sim! E, como me foi perguntado, para isto, sempre usei o excelente programa "Easy CD-DA Extractor" que cria (grava), ripa (extrai) e converte praticamente qualquer formato de arquivo de áudio em outro. Ele é pago, mas deve existir versões crackeadas na internet para baixar. Mas existem outros, não tão completos.

09 novembro 2014

Nuno Mindelis - Excelente Blues Nacional



Nuno Mindelis é um músico luso-brasileiro nascido em Angola. É um dos mais conceituados guitarristas de blues do Brasil. Apaixonou-se pela música desde criança por volta dos cinco anos. Aos nove anos já tocava em instrumentos confeccionados por ele. Durante sua infância ouviu grandes nomes do Blues.

Em 1975, morando no Canadá, formou uma banda de blues, passando a tocar em clubes locais. Um ano depois decidiu unir-se à família vindo também morar no Brasil. Em 1990 lança seu primeiro disco, "Blues & Derivados", que é amplamente elogiado pela crítica. Em 1992 lança seu segundo álbum, "Long Distance Blues", passando a tocar em festivais de blues. Em 1994, veio o reconhecimento internacional pela revista "Guitar Player". Em 1998 a consagração definitiva: Nuno é eleito o melhor guitarrista de blues segundo o concurso mundial de aniversário de 30 anos da revista.

Já bem conhecido, foi convidado para uma entrevista num famoso programa de televisão apresentando duas músicas ao vivo. Se apresentou também no "ViJazz & Blues Festival" realizado em Viçosa - MG, em junho de 2010, acompanhado de contra-baixo, teclado, bateria e um DJ, quando chamou a atenção do público em geral apresentando um show bastante energético e consistente.

Em 2009, foi eleito pelo site "HeavyMetal Brasil" um dos 30 melhores guitarristas do país. Em 2012, foi incluído na lista 70 mestres brasileiros da guitarra e do violão da revista "Rolling Stone Brasil". A capa acima é do disco "Nuno Mindelis - Texas Bound", de 1996, que é a dica de hoje para download.

Nuno Mindelis - Texas Bound

             

Nuno Mindelis - Hey Joe

             

06 novembro 2014

Saiba Mais Sobre os Formatos de Áudio e Suas Principais Diferenças



Por que surgem?


Há uma infinidade de formatos de áudio. No site File Info, um banco de dados sobre extensões de arquivos, você encontrará centenas deles, como pode conferir neste link aqui. Listaremos aqui, de forma crescente, apenas os mais populares.

Essa grande quantidade de formatos de áudio surgem por interesses de empresas, necessidades de usuários, oportunidade, etc. O MP3 é o mais conhecido porque aliou tamanho pequeno com qualidade boa e se espalhou incontrolavelmente com o Napster. A partir daí, ganhou um público fiel. No entanto, isso não quer dizer que ele é o melhor.

A escolha do formato de áudio depende da sua necessidade. Como você viu, formatos que não sacrificam qualidade requer maior espaço em disco (HD), mas, em contrapartida, são os ideais para fins de backup, para quem tem ouvidos exigentes ou busca uma sonoridade mais avançada ou profissional. Já os formatos comprimidos valorizam a conveniência, a compatibilidade com vários tocadores e o armazenamento de uma quantidade muito maior de músicas num menor espaço em disco.

O áudio digital é a realidade de quase todo usuário de computador. Pela popularização imensurável do MP3 na última década, é comum considerarmos a extensão como a representação de um arquivo de áudio. Mas o fato é que o MP3 é apenas uma maneira de criar arquivos de músicas. Hoje, muitas dessas extensões atestam o avanço e a popularidade da digitalização do som, cada um com suas peculiaridades, vantagens e desvantagens.


O formato PCM - A origem de tudo


Para um melhor entendimento será necessário fazermos uma pequena e rápida teorização da parte técnica. Essa é a sigla para Pulse Code Modulation (Modulação por Código de Pulsos), e esta é a tecnologia mais antiga de digitalização sonora. A história do PCM começa na década de 30, como uma maneira de representar sinais analógicos de maneira digital, ou seja, com suas ondas representadas em intervalos regulares.




Da mesma maneira que um vídeo é de fato uma sequência de imagens fixas, a amplitude, ou seja, a extensão de uma onda sonora digitalizada não é constante. A digitalização sonora envolve basicamente dois parâmetros: taxa de amostra (sample rate) e profundidade de bit (bit depth). O primeiro indica a quantidade de vezes em que a amplitude de uma onda é medida, enquanto o segundo indica o número de bits em cada amostragem. A variação desses parâmetros indica a fidelidade do áudio à gravação.

Esse formato originou as diferentes maneiras de digitalização de áudio. A Sony e a Philips, na década de 70, desenvolveram a tecnologia e criaram o CD, que tem 44100 amostras por segundo (44.1 KHz) e amplitude de 16 bits. Já o PCM com 8 KHz de amostragem e 8 bits de resolução é utilizado no sistema telefônico.


Formatos não comprimidos e comprimidos


Formatos digitais de áudio se dividem basicamente em dois grupos: não comprimidos e comprimidos. Os primeiros garantem qualidade máxima, pois não modificam nenhum bit do original. Em contrapartida, exigem mais espaço. Um CD de áudio utiliza o formato CDDA (Compact Disc Digital Audio) e suporta 80 minutos de música, por exemplo. WAV e AIFF são exemplos de não comprimidos.

Já os formatos comprimidos,como o nome sugere, comprimem dados com o intuito de diminuir o tamanho deles. Formatos como APE, FLAC e M4A são conhecidos como lossless e capazes de comprimir áudio sem perder qualidade.

Outros formatos comprimem ainda mais os arquivos, ganhando muito espaço. No entanto, eles já utilizam o princípio de abrir mão da qualidade absoluta para ganhar mais espaço e comodidade. Uma maneira de conseguir isso é remover faixas de áudio teoricamente imperceptíveis pelo ouvido humano. Há perda de qualidade, mas muitas vezes ela é realmente imperceptível. Por isso, formatos comprimidos são mais populares para o usuário comum. Um exemplo é o MP3. Já os formatos WAV e AIFF são grandes e de qualidade. São dois bons exemplos de formatos não comprimidos.

Formato WAV


WAV é a sigla para Waveform Audio File Format, e foi desenvolvido pela Microsoft e IBM para armazenamento de áudio em PCs. É baseado em PCM e não “sacrifica” dados, portanto exige bastante espaço. Em média, ocupa até 10 MB por minuto. É compatível com praticamente qualquer tocador atual. Pela qualidade máxima, é indicado para edições, mixagens e trabalhos profissionais. Como limitação, arquivos nesse formato não podem ter mais que 4 GB. As extensões comuns são WAV e WAVE.

Formato AIFF


Já o AIFF é a sigla para Audio Interchangeable File Format, e pode-se dizer que é para a Apple (que o desenvolveu baseada em uma tecnologia da Electronic Arts) o que WAV é para a Microsoft. Também baseado em PCM, é um formato não comprimido, portanto de qualidade, mas que demanda espaço. A extensão comum é AIFF ou AIF, mas a lista de tocadores compatíveis é um pouco menor que o formato WAV.


Compressão sem perder qualidade


Há formatos que conseguem comprimir dados sem sacrificar qualidade, caso do M4A, APE e FLAC. Eles são conhecidos como lossless ou sem perda, em tradução livre. Esses formatos são como uma ponte entre qualidade e comodismo, pois são capazes de manter a qualidade original e inalterada em menos espaço do que WAV ou AIFF.

Formato FLAC


É a sigla para Free Lossless Audio Codec, criado em 2003. Como afirmam os desenvolvedores, é como se fosse um ZIP, porém feito especificamente para áudio e com a vantagem de poder ser executado em vários players. Ele também é baseado em PCM, e os dados têm uma espécie de assinatura que permitem a conferência da integridade do arquivo.

Uma vantagem do formato é o cue sheet, ou seja, um arquivo com todas as referências para a divisão de faixas de um álbum. Por exemplo, é possível ripar um CD em um único arquivo, e utilizar o cue sheet para dividir as faixas. O player ou gravador, neste caso, precisa ser compatível com a extensão CUE.

A velocidade de codificação nesse formato é rápida e exige menos processamento em comparação com outros codecs. Ele é não proprietário e pode ser usado livremente. A popularidade do formato cresce com o aumento da velocidade da conexão com a internet. Arquivos FLAC ultrapassam a marca dos 1000 kbps, atestando a qualidade de áudio.

A Extensão APE 


Esta é a extensão do Monkey Lossless Audio File, outra maneira de comprimir áudio sem perder qualidade, que também se descreve como um ZIP para músicas. Tem código aberto disponível, e conta com sistema de detecção de erros e sistema próprio de tags.

Em comparação com FLAC, apresenta melhores índices de compressão, porém requer mais recursos de processamento, de acordo com resultados de benchmarks.

Formato ALAC


Sigla para o formato Apple Lossless Encoder. O MP4 é um tipo de extensão que utiliza esse formato, juntando áudio e vídeo em um container. M4A é uma extensão com as faixas de áudio de filmes com codec MPEG-4.

FLAC, APE e ALAC em média digitalizam áudio com a metade do tamanho do arquivo original, podendo variar entre 40% e 60%. Esses formatos são bons para edição e para usuários que prezam pela qualidade máxima. Uma opção para um backup de sua coleção de CDs, por exemplo. Imagine que você fez toda sua coleção em MP3, e aí percebe que surgiu uma tecnologia melhor? Ao fazer o backup com uma tecnologia sem perda, as cópias permanecem fiéis aos originais independentemente dos avanços. Mas, vale lembrar que esses formatos não são tão comprimidos quanto os que você vai conferir agora.


A conveniência da compressão


Há formatos de áudio que abrem mão da qualidade — até certo ponto — para ocupar menos espaço. São úteis para quem sofre com espaço ou quer carregar mais arquivos em um player, por exemplo. Eles são mais comuns porque, para o usuário em geral, a perda de qualidade não é algo notório.

Formato MP3


Sem dúvidas, o MP3 é o formato mais popular, compatível com tudo o que é software e player de mídia. Criado na Alemanha, o formato utiliza a codificação perceptual, ou seja, codifica somente as frequências sonoras captadas pelo ouvido humano.

O MP3 popularizou o compartilhamento de músicas. A razão do sucesso do MP3 é o fato de conseguir equilibrar bons índices de compressão e qualidade. Há, sim, a perda de qualidade se comparado com o original, mas em níveis praticamente imperceptíveis para a maioria dos usuários. O MP3 chega a criar arquivos com 10% do tamanho de arquivos PCM.

Hoje em dia o MP3 chega ao máximo de 320 kbps. Entre 192 kbps e 320 kbps, a qualidade torna-se quase imperceptível para ouvidos normais. Entre 128 kbps e 192 kbps, ouvidos normais já constatam alguma perda de qualidade quando direcionados a comparar arquivos, mas isso depende muito de quem ouve.

Formato OGG Vorbis 


A  extensão OGG é um formato não proprietário e até mesmo com melhores taxas de compressão que o MP3. Porém, a explosão do MP3 faz com que o suporte e a divulgação para OGG encontre muitas dificuldades. Além disso, o fato de ser código aberto dificulta a padronização do formato.

Os desenvolvedores afirmam que o formato foi desenvolvido para “substituir completamente todos os formatos patenteados e proprietários”. O MP3 é uma extensão proprietária, e esse é o atrativo que o OGG tenta chamar em artistas e gravadoras. De uns tempos para cá, o OGG vem sendo consideravelmente utilizado em jogos.

Formato AAC


Sigla para Advanced Audio Coding (Codificação Avançada de Áudio, em tradução livre) é considerado o mais forte concorrente do MP3. O formato é baseado no padrão MPEG-4 e foi popularizado pela Apple, que aderiu ao formato no iPod e no iTunes, até mesmo vendendo os arquivos de áudio da loja nesse formato, em detrimento ao MP3.

Testes mostram que o formato AAC têm mais flexibilidade do que o MP3, como consequência, maior qualidade de compressão. De maneira geral, o formato AAC tem melhor qualidade em taxas de bit menores (128 kbps, por exemplo).

O AAC não é um formato proprietário, apesar do que aparenta. A confusão se dá pela adoção da Apple, mas não se confirma. O AAC é suportado por dispositivos da Sony, PSP, Nintendo DSi, Xbox 360, Zune, iPod, iPhone, Windows Mobile. Em termos de software, Media Player Classic, BSPlayer, Foobar, AIMP e Winamp são alguns compatíveis.

Formato WMA


Formato da Microsoft, ele tem habilidades de cópias com proteção de conteúdo, em resposta aos problemas de distribuição que polemizam o MP3. É uma tecnologia proprietária com quatro codecs distintos: WMA como competidor do MP3; WMA Pro, mais moderno e com suporte para áudio de alta definição; WMA Lossless, que comprime sem perda de qualidade; e WMA Voice, destinado a conteúdos de voz com codificação em baixas taxas de bit.

O WMA surgiu com a promessa de criar arquivos equivalentes a MP3 com metade do tamanho, porém não vingou. No entanto, em taxas baixas, de 128 kbps, a qualidade dos dois é comparável.
Texto: site Tecmundo
Complementação: Renê

24 outubro 2014

Som Imaginário - Raridade Brasileira dos Anos 70



Como o próprio nome diz, o som desta banda não existe! Sim...,  é um som imaginário que ronda as mentes dos ouvidos musicais que tiveram a sorte de conhecer essas pessoas tocando juntas. Não canso de ouví-lo..., mas sou obrigado a alertá-los! Se você não possui "ouvido musical" não perca tempo de ouvir, pois não conseguirá alcançar a realidade dos caras. Esta é mais uma altíssima raridade do rock nacional dos anos 70.

Também não poderíamos esperar outra coisa de uma banda formada por nomes consagrados como Marco Antônio Araújo, Naná Vasconcellos ,Toninho Horta, Wagner Tiso, Tavito e José Rodrix, não é mesmo?! No disco eles conseguem fazer uma mistura muito bem arquitetada de rock progressivo, psicodelia, folk e MPB, poucas vezes observada no cenário nacional; disco esse, objeto de busca desenfreada dos colecionadores do mundo inteiro, dispostos a pagar qualquer preço para quem se dispõe a abrir mão, valendo hoje algumas centenas de dólares, o que o torna praticamente impossível de se encontrar.

Após esse primeiro disco a banda sofreu um violento baque com a saída de José Rodrix, mas ainda resistiu algum tempo, chegando mesmo a lançar mais dois discos, óbviamente sem a grande expressão do primeiro. Há quem prefira o terceiro disco: "Som Imaginário - Matança do Porco", de 1972, que também é muito bom, não tendo porém a mesma postura qualitativa e inovadora do primeiro.

Em 1997 a gravadora chegou a lançar um box com os três discos, mas, as 5.000 cópias foram tão insuficientes que rapidamente acabaram nas mãos de colecionadores estrangeiros deixando o restante a ver navios. Esse disco se encontra num patamar bastante superior na música brasileira e nivela-se aos melhores discos da verdadeira  tropicália nacional. Para pesquisar o disco na internet e fazer o download, use os termos: "Som Imaginário - Som Imaginário (1970) - blogspot"; lembrando que no blog você encontra as dicas de como fazer o download nos principais sites de hospedagens. Para saber mais, fale conosco.

Som Imaginário - Nepal

             

Aqui vemos a psicodelia à flor da pele.


Som Imaginário - Pantera

             

O lado tropicalista da banda.

17 outubro 2014

Coleção Sucessos Pop "Difusora" (8 cds) - Anos 70

Ótima para tomar uma gelada num churrasco com os amigos, essa espetacular coletânea ainda está disponível na internet para download. Para quem ainda não tem a manha da coisa, lembramos que aqui no blog você encontra todas as dicas de como fazer download nos principais sites de hospedagem, e que no "4Shared" você deverá criar uma conta gratuita para ter acesso aos arquivos lá hospedados (ver o ítem "Internet" de "Assuntos Abordados" do blog). Você vai fazer uma agradável viagem no tempo curtindo essa coletânea. Não perca a oportunidade de baixá-la! Para isso é só buscar na internet por: Coleção Difusora (8 cds) - blogspot. Para saber mais, entre em contato. Veja a capa e o conteúdo de cada disco:
VA - Jet Music Special (1974)

01 - Sugar Baby Love - The Rubettes
02 - My Thang - James Brown
03 - I Told You So - Delfonics
04 - Soul Power 74 - Maceo & The Macks
05 - How Do You Feel The Morning After - Millie Jackson
06 - Damn Right I Am Somebody - Fred Wesley & The J.B.'s
07 - Charade - The Bee Gees
08 - Gonna Make You An Offer You Can't Refuse - Jimmy Helms
09 - Don't Call It Love - Bo Cooper
10 - It's All Up To You - Jim Capaldi
11 - Another Saturday Night - Cat Stevens
12 -This Is Reggae Music - Zap Pow

VA - Disco de Ouro Difusora - Volume II Especial (1974)

Tracklist disc 1:
01 - I'll Be Around - The Spinners
02 - The First Time Ever I Saw Your Face - Roberta Flack
03 - Hey Jude - Wilson Pickett
04 - Just Don't Want To Be Lonely - Blue Magic
05 - I'm In Love - Aretha Franklin
06 - She's Gone - Daryl Hall & John Oates
07 - Until You Come Back To Me (That's What I'm Gonna Do) - Aretha Franklin
08 - Love, Love, Love - Donny Hathaway
09 - (Sittin' On) The Dock Of The Bay - Otis Redding
10 - Let's Stay Together - Margie Joseph
11 - The Lion Sleeps Tonight - Robert John
12 - Could It Be I'm Falling In Love - The Spinners

Tracklist disc 2:
01 - Listen To The Music - The Doobie Brothers
02 - Close To You - Dionne Warwick
03 - So Very Hard to Go - Tower Of Power
04 - Summer Breeze - Seals & Crofts
05 - Twist And Shout - Bobby Blue Secundo
06 - Suavecito - Malo
07 - If We Only Have Love - Dionne Warwick
08 - Long Train Runnin' - The Doobie Brothers
09 - Hummingbird - Seals & Crofts
10 - Summer Sun - Jamestown Massacre
11 - Weave Me The Sunshine - Peter Yarrow
12 - Harlem Song - The Sweepers

VA - Disco de Ouro Difusora (1974)
01 - I've Been Hurt - Bill Deal & The Rhondels
02 - Venus - Shocking Blue
03 - The Rain, The Park And Others Things - The Cowsills
04 - I'm Gonna Get Married - Lou Christie
05 - Spill The Wine - Eric Burdon
06 - Oh Happy Day - Edwin Hawkins Singers
07 - Ro Ro Rosey - Charlie Brown
08 - It's Too Late - Bill Deal & The Rhondels
09 - Rain And Tears - Aphrodite's Child
10 - How Can You Mend A Broken Heart? - Bee Gees
11 - Me And You And A Dog Named Boo - Lobo
12 - A Whiter Shade Of Pale - Procol Harum
13 - Aquarius/Let The Sunshine In - 5th Dimension
14 - Eve - Bill Medley

VA - Sucessos Pop Difusora (1976)
01 - I Love To Love - Tina Charles
02 - You'll Never Find Another Love Like Mine - Lou Rawls
03 - I Could Dance All Night - Archie Bell And The Drells
04 - Jet Setting - Van McCoy
05 - Falling Apart At The Seams - Marmalade
06 - Theme From S.W.A.T. - The Jet Music Band
07 - Try Me, I Know We Can Make It - Donna Summer
08 - It Don't Hurt Me Like It Used To - Johnnie Taylor
09 - Because I Love You, Girl - The Stylistics
10 - Valerie - Rex Taylor
11 - Rock Me Mama - John Edge
12 - Love Power - George Benson

VA - Disco de Ouro Difusora (1976)
01- Moonlight Serenade - Bobby Vinton
02 - Hey There Lonely Girl - Eddie Holman
03 - The Show Must Go On - Three Dog Night
04 - Sealed With A Kiss - Brian Hyland
05 - Girl Watcher - The O' Kaysions
06 - And I Love You So - Bobby Vinton
07 - California Dreamin' - The Mamas & The Papas
08 - Mac Arthur Park - Richard Harris
09 - Dizzy - Tommy Roe
10 - Twilight Time - The Impressions
11 - As Time Goes By - Johnny Nash
12 - Black and White - Three Dog Night
13 - What A Wonderful World - Louis Armstrong
14 - Runaway - Bobby Vinton

VA - Disco de Ouro Difusora (1977)

01 - Where Do I Go - Julius La Rosa
02 - Rose Garden - Lynn Anderson
03 - Yellow River - Christie
04 - My Pledge Of Love - Joe Jeffrey
05 - Rock And Roll Lullaby - B.J. Thomas
06 - Your Song - Billy Paul
07 - And I Love You So - Perry Como
08 - Rock Your Baby - George McRae
09 - Love Me, Please Love Me - Michel Polnareff
10 - Take My Heart - Jacky James
11 - Venus - Frankie Avalon
12 - L'Amour C'Est Comme Un Jour - Charles Aznavour

VA - Sucessos Pop Difusora  Vol. 2 (1977)
01 - See You When I Get There - Lou Rawls
02 - I Remember Yesterday - Donna Summer
03 - So Good To Me - Morris Albert
04 - Southern Nights - Glen Campbell
05 - Girl, You'll Be A Woman Soon - The Biddu Orchestra
06 - Those Lies - The O'Jays
07 - Georgia - Boz Scaggs
08 - Don't Make Me Wait Too Long - Barry White
09 - Just Couldn't Help Myself - O.C. Smith
10 - All Comes Back To You - Tina Charles
11 - Sarah - America
12 - I Cannot Stop - Kramer & Jet Music Band

VA - Sucessos Pop Difusora  Vol. 3 (1978)
01 - For Your Love - Chilly
02 - Love Won't Be Denied - Len Boone
03 - You're All I Need To Get By - Gloria Gaynor
04 - L.O.V.E. Got A Hold On Me - Demis Roussos
05 - More Than A Woman - Tavares
06 - Vagabond Thief - Gypsy
07 - First Impressions - The Stylistics
08 - This Time I'm In It For Love - Player
09 - Leonie - Arjan Brass
10 - Notturno - Panda
11 - You Keep Me Dancing - Samantha Sang
12 - Sun After The Rain - Bebu Silvetti
Dica do amigo Bugrim

-----  REGISTRE-SE PARA TER ACESSO AOS LINKS  ----- 

14 outubro 2014

Bandas Brasileiras De Rock Progressivo (da letra K a Z)



Hoje relacionaremos os nomes e o subgênero musical das bandas prog brasileiras mais conhecidas cujos nomes se iniciam com a letra "K até a letra Z".

KAIZEN - Symphonic Prog
KARMA - Progressive Metal
KHALLICE - Progressive Metal

LABIRINTO - Post Rock
LEHMEJUM - Jazz Rock/Fusion
LEI SECA - Symphonic Prog
LOCH NESS - Symphonic Prog
LOST FOREVER - Progressive Metal
LOUREIRO, KIKO - Progressive Metal
LUMINA - Jazz Rock/Fusion

MAHTRAK - Jazz Rock/Fusion
MARSICANO, ALBERTO - Indo-Prog/Raga Rock
MENAHEM - Progressive Metal
MINDFLOW - Progressive Metal
MONTECHIARI PROJECT - Crossover Prog
MOPHO - Crossover Prog
MOTO PERPETUO - Crossover Prog
MOUSSAWER, ZUZO - Jazz Rock/Fusion
MUTANTES, OS - Psychedelic/Space Rock

NAVE - Crossover Prog

OCTOHPERA - Eclectic Prog

PANACEAH - Progressive Metal
PANDORA 101 - Progressive Metal
PASCOAL, HERMETO - Jazz Rock/Fusion
PEDRA - Crossover Prog
PIG SOUL - RIO/Avant-Prog
PLANESHIFT - Progressive Metal
POÇOS & NUVENS - Symphonic Prog

QUANTUM - Symphonic Prog
QUARTO SENSORIAL - Jazz Rock/Fusion
QUATERNA REQUIEM - Symphonic Prog
QUINTETO ARMORIAL - Prog Folk

RAINER TANKRED PAPPON - Heavy Prog
RECH, ZOZIMO - Crossover Prog
RECORDANDO O VALE DAS MAÇÃS - Symphonic Prog

SAECULA SAECULORUM - Symphonic Prog
SAGRADO CORACAO DA TERRA - Symphonic Prog
SATANIQUE SAMBA TRIO - RIO/Avant-Prog
SATWA - Indo-Prog/Raga Rock
SEMENTE - Psychedelic/Space Rock
SEVEN SIDE DIAMOND - Crossover Prog
SHAMAN / SHAAMAN - Progressive Metal
SIGMA 5  - Progressive Metal
SKYFOX 8 - Neo-Prog
SLEEPWALKER SUN - Progressive Metal
SOLIS - Neo-Prog
SOM IMAGINÁRIO - Psychedelic/Space Rock
SOM NOSSO DE CADA DIA - Eclectic Prog
SPIN XXI - Symphonic Prog
STCRUZ, RAFAEL - Crossover Prog
SUB ROSA - Crossover Prog

TARKUS - Symphonic Prog
TAU CETI - Jazz Rock/Fusion
TELLAH - Eclectic Prog
TEMPUS FUGIT - Symphonic Prog
TERÇO, O - Symphonic Prog
TERRENO BALDIO - Eclectic Prog
TESIS ARSIS - Symphonic Prog
THESSERA - Progressive Metal
TISARIS - Symphonic Prog
TREM DO FUTURO - Symphonic Prog
TUATHA DE DANANN - Prog Folk

VELUDO - Eclectic Prog
VERDAGUER - Jazz Rock/Fusion
VESANIA - Symphonic Prog
VIA LUMINI - Symphonic Prog
VIOLETA DE OUTONO - Psychedelic/Space Rock
VIVALMA - Heavy Prog
VOUGAN - Progressive Metal

WEJAH - Eclectic Prog
WERLANG, GERSON - Crossover Prog

ZARG - Crossover Prog
ZÉ, TOM - RIO/Avant-Prog
Fonte: Progarchives e acervo pessoal


12 outubro 2014

Rod Stewart e suas Maravilhosas Baladas dos Anos 70



O cantor e compositor britânico Rod Stewart, de voz áspera e rouca, ficou conhecido no final dos anos 60 quando participou da banda "Jeff Beck Group". Depois juntou-se ao grupo 'The Faces' e paralelamente iniciou uma carreira solo que dura até hoje.

Por várias vezes em sua carreira Rod  atingiu as paradas de sucesso, principalmente no Reino Unido, onde consegiu o primeiro lugar em 6 álbuns lançados; por 24 vezes ficou entre o top 10; seis vezes na  primeira posição entre as músicas mais executadas e 9 vezes o primeiro lugar a nível mundial. Rod Stewart já vendeu cerca de 300 milhões de álbuns desde o inicio de sua carreira. Está na lista dos maiores artistas da história e um dos mais bem sucedidos de todos os tempos.

Produziu hits famosos mundialmente como : "Maggie May", "Da Ya Think I'm Sexy?", "I Don't Want to Talk About It", "Sailing", "Young Turks", "Baby Jane", "Have I Told You Lately", "Tonight The Night", "The First Cut Is The Deepest", "You're in My Heart", "Rhythm of My Heart ", "Forever Young", "Downtown Train", "Hot Legs", "Passion", "Some Guys Have All The Luck", "Tonight I'm Yours (Don't Hurt me)", "People Get Ready", "Every Beat Of My Heart", "My Heart Can´t Tell You No" e "It's Over".

Sua canção mais vendida foi o hit "Da Ya Think I'm Sexy?" de 1978, que atingiu o numero 1 em praticamente todos os paises e vendeu cerca de 5 milhões de cópia em todo mundo. Uma coletânea dupla que contém todos os grandes sucesso do artista é a "The Story So Far: The Very Best of Rod Stewart", lançada em 2001 com 34 canções, sendo a dica de hoje para download. Para saber mais, entre em contato.

Rod Stewart - Sailing (tradução)

             

Rod Stewart - You're In My Heart (tradução)

             


Rod Stewart - You're In My Heart (tradução)


Você está no meu coração

Eu não sabia que dia era
Quando você entrou na sala
Eu disse: Olá despercebido
Você disse adeus tão cedo

Breezing através da clientela
Spinning fios que eram tão lírico
Eu realmente devo confessar aqui
A atração foi puramente física

Tomei todos os hábitos de seu
Que no início eram difíceis de aceitar
Seu senso de moda, Beardsly imprime
Larguei a experimentar

A grande dama bosomed com o sotaque holandês
Quem tentou mudar meu ponto de vista
Suas linhas ad lib foram bem ensaiado
Mas meu coração clamou por você

Você está no meu coração, você está em minha alma
Você será minha respiração eu deveria envelhecer
Você é minha amante, você é meu melhor amigo
Você está em minha alma

Meu amor por você é imensurável
Meu respeito por você imensa
Você é eterno, atemporal, rendas e finura
Você é beleza e elegância

Você é uma rapsódia, uma comédia
Você é uma sinfonia e uma peça de teatro
Você é cada canção de amor já escrita
Mas querida, o que você vê em mim

Você é um ensaio no glamour
Por favor, perdoe a gramática
Mas você é o sonho de todo estudante
Você é celta, unida, mas, baby, eu decidi
Você é o melhor time que eu já vi

E tem havido muitos casos
Muitas vezes eu pensei sair
Mas eu mordo meu lábio e virar
Porque você é a coisa mais quente que eu já encontrei

Rod Stewart - First Cut is the Deepest (tradução)

             


Rod Stewart - First Cut is the Deepest (tradução)



O Primeiro Corte É o Mais Profundo

Eu lhe daria todo o meu coração
Mas, há alguém que o dilacerou
E ela levou tudo o que eu tinha
Mas se você quiser, eu tentarei amar de novo
Querida, eu tentarei amar de novo, mas eu sei

O primeiro corte é o mais profundo
Querida sei, o primeiro corte é o mais profundo
Mas quando é para ser sorte, ela amaldiçoa
Quando é para eu ser amado, ela esta pior

Eu ainda te quero ao meu lado
Apenas para ajudar-me a secar as lágrimas que chorei
E estou certo que lhe darei uma chance
E se você quiser, eu tentarei amar de novo
Querida, eu tentarei amar de novo, mas eu sei

O primeiro corte é o mais profundo
Querida sei, o primeiro corte é o mais profundo
Mas quando é para ser sorte, ela amaldiçoa
Quando é para eu ser amado, ela esta pior

Eu ainda te quero ao meu lado
Apenas para ajudar-me a secar as lágrimas que chorei
E estou certo que lhe darei uma chance
Porque se você quiser, eu tentarei amar de novo
Querida, eu tentarei amar de novo, mas eu sei

O primeiro corte é o mais profundo
Querida sei, o primeiro corte é o mais profundo
Mas quando é para ser sorte, ela amaldiçoa
Quando é para eu ser amado, ela esta pior

10 outubro 2014

Jovem Guarda - A Versão Brasileira do Rock Internacional



A história começa especificamente com a expressão "Jovem Guarda", que era o nome de um programa da TV Record de São Paulo em 1965, comandado por Roberto Carlos, Erasmo Carlos e Wanderléia, que passou a definir um gênero musical, também conhecido como iê-iê-iê, a versão brasileira do rock internacional.

A Jovem Guarda foi a cristalização de uma tendência bem anterior, pois o rock’n’roll da década de 1950 já havia criado no Brasil um mercado de consumidores e aficionados. Desde 1957 os primeiros cantores e compositores brasileiros do gênero já tentavam reproduzir o ritmo por aqui com letras em português ou mesmo cantando originalmente.

Entre os maiores expoentes desse período estavam os irmãos Tony e Celly Campelo, Sérgio Murilo, Ed Wilson e, em fase pouco posterior, Ronnie Cord e os grupos The Jordans, The Jet Blacks e The Clevers. O trio central – Roberto Carlos, Erasmo Carlos e Wanderléia – entrou em cena justamente quando começava a se acentuar a queda de popularidade desses primeiros artistas brasileiros do rock’n’roll.

Em 1961, Celly Campelo decidiu afastar-se da vida artística, enquanto as atenções já se voltavam para a bossa nova. A turma do rock já sobrevivia em poucos espaços no meio de comunicação contando apenas com os programas "Hoje é Dia de Rock", de Jair de Taumaturgo, na Radio Mayrink Veiga carioca, o "Clube do Rock", de Carlos Imperial, na TV-Rio, e "Crush em Hi-Fi", na TV Record, de São Paulo.

Em discos lançados, os sucessos rareavam cada vez mais e Roberto Carlos optou, então, por algum tempo, pela bossa nova, mas Erasmo Carlos e Wanderléia decidiram insistir, tentando divulgar um tipo de musica que, nessa época, já tinha muito de bolero e samba-canção, misturado ao rock’n’roll. No Rio de Janeiro, Ed Wilson, Cleide Alves, Renato e seus Blue Caps também esperavam sua oportunidade.

E foi então o repentino sucesso de um compositor e intérprete paulista que abriu a brecha para o que seria a tal Jovem Guarda, em 1963, com Ronnie Cord, que conseguiu bons índices de venda e popularidade com o rock "Rua Augusta", chamando a atenção do publico e da mídia para os roqueiros, principalmente para as figuras de Roberto Carlos e Erasmo Carlos, autores de "Parei na contramão". Logo em seguida já veio "É proibido fumar" e "Festa de arromba", da mesma dupla, confirmando assim a existência do mercado nacional para o rock. Foi dessa música que surgiu a idéia do programa de televisão concretizado pela TV Record paulista, na época, grande investidora em musica popular.

Com o nome definitivo de "Jovem Guarda", o programa foi ao ar pela primeira vez em setembro de 1965, reunindo Roberto Carlos, Erasmo Carlos e Wanderléia, os cantores Eduardo Araújo, Sérgio Murilo, Agnaldo Rayol, Reynaldo Rayol, Martinha, Cleide Alves, Meyre Pavão, Rosemary e os grupos The Jordans, The Jet Blacks, Renato e seus Blue Caps, Os Incríveis e Golden Boys.

Rapidamente, a Jovem Guarda tornou-se uma das grandes atrações da emissora, reunindo grandes platéias de adolescentes no Teatro Record, mas foi a partir de 1966, com o grande sucesso de Roberto e Erasmo Carlos: "Quero que vá tudo pro inferno", que o programa tomou proporções nacionais e passou a ser sinônimo de movimento ou tendência musical.

Outros artistas se juntaram ao grupo inicial: Ronnie Von, Vanusa, De Kalafe, Deny e Dino, Leno e Lilian, Antônio Marcos, Os Vips, Os Brasões, The Pops, entre outros. Vários compositores de outras áreas começaram então a se interessar pelos ritmos da Jovem Guarda, como Jorge Ben, que passou a frequentar o programa, e os baianos Gilberto Gil e Caetano Veloso, que, aconselhados pela cantora Maria Bethânia, incorporaram ao seu trabalho elementos do iê-iê-iê, como as guitarras que acompanhavam "Domingo no parque" e "Alegria, alegria" no III FMPB, da TV Record, em 1967.

Segundo Erasmo Carlos, foi justamente a "Tropicália" – movimento que Gil e Caetano fundaram nesse período - uma das principais causas do esvaziamento da Jovem Guarda. "A Tropicália – diz ele - era uma Jovem Guarda com consciência das coisas, e nos deixou num branco total". Mas, antes de se extinguir totalmente no inicio de 1969, diluída pela superexposição ao consumo, pelo cansaço e pelo esgotamento criativo de seus participantes, a Jovem Guarda deixou sua contribuição, alimentando vários programas semelhantes na televisão e algumas publicações especializadas.

Além de projetar nacionalmente alguns de seus ídolos, o movimento foi em grande parte responsável pela posterior assimilação de instrumentos eletrônicos na musica brasileira de todas as tendências e pela fusão de informações estrangeiras e dados nacionais que caracterizou a produção musical na década de 1970. No inicio da década seguinte, Léo Jaime, os Titãs, a Blitz e outros interpretes e grupos roqueiros retomaram a musicalidade simples e direta da Jovem Guarda, constituindo a Nova Jovem Guarda.

Em 1995, remanescentes da Jovem Guarda se reúnem para comemorar os 30 anos do movimento e gravam um box de cinco CDs onde recriam os antigos sucessos e fazem uma série de shows com êxito nacional. Fizeram parte deste show: Wanderléia, Erasmo Carlos, Ronnie Von, Bobby de Carlo, Os Vips, Os Incríveis, Martinha, Leno e Lilian, Golden Boys e outros. Ainda em 1995, a Paradoxx lançou dois CDs com vários artistas da Jovem Guarda gravados ao vivo nos shows comemorativos; e, no ano seguinte, a revista Caras colocou no mercado uma coleção de seis CDs e fascículos, contando a historia da Jovem Guarda e com remasterizações das gravações originais.
Biografia: Enciclopédia da Música Brasileira 

09 outubro 2014

A Importância de um Bom Antivírus Instalado e Sempre Atualizado em seu PC



Atendendo ao pedido de um leitor, o assunto de hoje será sobre a importância de se instalar um bom antivírus em seu PC. Uma coisa é óbvia. O antivírus pode não ser (e não é) o único responsável pela segurança do computador, mas, com certeza, é um dos principais e indiscutivelmente o primeiro passo a ser tomado para quem deseja proteger sua máquina. Quanto ao questionamento de você ter pego vírus mesmo com um antivírus instalado e atualizado, tentaremos esclarecer no decorrer do assunto.

É possível encontrar bons softwares de proteção - os pagos que existem no mercado são sempre superiores aos gratuitos, já que oferecem amplo suporte. Os antivírus são como os anticorpos no nosso organismo e as atualizações são como vacinas. O antivírus deve ser atualizado constantemente para que possa se defender dos novos vírus que surgem todos os dias.

Qual o melhor antivírus?


Existem opções excelentes e gratuitas como: AviraAvast, AVG, e outros. Atualmente estou usando o Microsoft Security Essentials, não tendo nada a reclamar. Se quiser, também é possível investir e comprar um antivírus, que sempre é mais avançado que a versão gratuita, nos trazendo mais vantagens como alguns recursos extras, além de vir com um banco de vírus mais completo.

Além dos citados acima, uma boa dica neste caso é o bem conceituado e recomendado antivírus Kaspersky. Já fiz uso de todos eles sem nenhum problema. Mas, caso prefira continuar com as versões gratuitas podem usar qualquer uma das opções acima tranquilamente.

Técnicas alternativas que aumentam a proteção dos antivírus


A maioria dos técnicos de informática não concordam muito com o que vou dizer, sendo esta uma opinião muito particular, mas, existem antivírus que são compatíveis com outros, podendo rodar juntos na mesma máquina, pois a prática já me provou que nenhum antivírus cerca 100% dos malwares (pelo menos que eu saiba). Mas, não tente fazer isto sem a opinião do seu técnico, pois correrá o risco de não acertar nas escolhas e seu PC ficar totalmente desprotegido mediante os conflitos que surgirão.

Atualmente não, mas, já usei essa técnica por um bom tempo e notei que malwares não encontrados por um antivírus instalado eram bloqueados pelo segundo, e vice-versa. Como toda pesquisa sempre me fascina bastante, já experimentei também uma segunda situação: a de dois antivírus instalados na mesma máquina, porém com um só rodando. O outro era mantido desabilitado até a hora de usá-lo, quando então desabilitava o primeiro.

Essas maluquices experimentais realmente funcionam, mas, alguns técnicos tendem a não aceitá-las, por quê motivo ainda não consegui descobrir. Quanto ao Kaspersky, mesmo sendo o melhor deles na minha humilde opiniãoeste não aceita essas alternativas de forma nenhuma, tendo que funcionar de forma exclusivaBom, dentre várias outras, estão aí as opções. O resto fica a critério de cada um. Espero ter ajudado.
Dados: Segurança Uol e Guilherme Kuceki
Foto: tecnologia.culturamix
Complementação: Renê

07 outubro 2014

Barrabas - Sucesso Espanhol dos Anos 70



A banda espanhola Barrabas fazia uma mistura de Rock, Salsa, Funk, Soul e muito vocal; isto tudo regado a um afro-batuque pra ninguém botar defeito. Mas, sucesso mesmo, só emplacaram dois: "Wild Safari" e "Woman", ambos do disco "Barrabas - Wild Safari", de 1972, que, inclusive, é a dica de hoje para download. Para saber mais, entre em contato. Foi com esse disco que a banda começou a aparecer nas listas das mais tocadas dos Estados Unidos, Canadá, Itália, França, Alemanha e na América Latina, incluindo o Brasil e fazendo bastante sucesso aqui em nossa cidade. Qual cinquentão sanjoanense não se lembra dessas duas canções?

A banda foi criada no início dos anos 70 por Fernando Arbex e Ricky Morales, que resolveram fazer uma coisa diferente de tudo que já existia. E então deram uma cara psicodélica à salada de estilos musicais citada acima, criando uma nova receita para o êxito a nível mundial, sendo consagrados na época como o grupo espanhol de maior notoriedade internacional.

Após o desaparecimento do típico som pop dos anos 60, surgiram várias correntes musicais e esta certamente era uma delas. Nota-se claramente, principalmente pelos batuques, que o grupo musical foi bastante influenciado pelo grande sucesso que a banda "Santana" colhia na época.

Em 1977 a banda deu uma parada em suas atividades reaparecendo somente em 1981 com o sucesso "On The Road Again" levando-os novamente ao topo na Europa, mas não em seu próprio país. Isto muito me faz lembrar das bandas brasileiras, pois aqui, de modo geral, acontece coisa parecida. Neste retorno da banda o grupo passou a dar mais ênfase ao estilo febril da época: a "disco music". Que tal matarmos a saudade curtindo os vídeos da banda?

                            Encontre-nos nas Redes Sociais

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...